Jornal relata êxodo de jovens argentinos para o Brasil

Situação acontece, principalmente, nas cidades fronteiriças com o Rio Grande do Sul, com oferta de empregos temporários no campo.

Apoie! Siga-nos no Google News

O jornal Primera Edición, um dos mais influentes da província fronteiriça de Misiones, publicou, na última segunda-feira (22), reportagem que relata o êxodo de jovens argentinos em direção ao Brasil, registrado, principalmente, nas cidades vizinhas ao estado do Rio Grande do Sul.

Leia também:
Atleta argentino desaparece em naufrágio no Rio Paraná

Intitulada “Êxodo massivo de jovens de Misiones que vão colher no Brasil devido à vantagem do real”, a matéria pode ser lida na íntegra, em espanhol, clicando aqui.

Conforme o reporte, a vinda de argentinos ao Brasil para trabalhar em ocupações temporárias no campo, em épocas de colheita, sempre ocorreu. A novidade é o volume, que aumentou nos últimos meses.

“É incrível o que está acontecendo. Há bairros inteiros indo ao Brasil para trabalhar”, relatou Cristian Castro, deputado provincial residente na cidade de San Javier, ouvido pelo Primera Edición.

O principal motivo do êxodo, que já começa a diminuir a disponibilidade de trabalhadores rurais em Misiones, é a remuneração em reais, considerada vantajosa em tempos de desvalorização acentuada do peso argentino.

“Um peso que se desvaloriza todos os dias e perde valor frente ao real, somado a uma crise econômica que parece não ter fim e à ‘imagem positiva que o empregador brasileiro tem do trabalhador argentino’, são alguns dos fatores que fazem com que jovens de Misiones optem por cruzar a fronteira para trabalhar nas plantações do país vizinho”, descreve o jornal.

Muitos dos trabalhos oferecidos têm de dois a três meses de duração, com pagamentos diários, semanais ou mensais.

Além de ofertas informais (que levam a riscos como a exploração de trabalho análogo à escravidão), há propostas formais feitas por empresas e proprietários de fazendas, tendo como parâmetro os acordos trabalhistas do Mercosul.

Para ler a reportagem do Primera Edición (em espanhol), clique aqui.

LEIA TAMBÉM