Greve dos caminhoneiros gera temor de desabastecimento no Paraguai

Caminhoneiros protestam na Costanera de Assunção. Imagem: Reprodução / Canal 13.

A greve nacional promovida por algumas das principais associações de caminhoneiros do Paraguai entra em sua segunda semana com temor, entre a população, de desabastecimento de combustíveis. No sábado (7) e no domingo (8), houve aumento da procura nos postos de Ciudad del Este e área metropolitana.

De acordo com o jornal La Clave, o movimento foi provocado por boatos, difundidos via WhatsApp e redes sociais, de que estabelecimentos teriam limitado a quantidade por cliente ou já estariam sem diesel ou gasolina. O fim dos estoques foi desmentido pela Associação de Proprietários de Postos de Combustíveis (Apesa, na sigla em espanhol).

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

Ao longo da Rodovia Internacional PY02 (antiga Ruta VII), os caminhoneiros mantêm pelo menos dois pontos de paralisação no Alto Paraná: no Km 10, perímetro urbano de Ciudad del Este, e no Km 30, em Minga Guazú. Na Supercarretera, paralela ao Lago de Itaipu, há mobilizações em Hernandarias, Santa Fe del Paraná, Itakyry e no acesso a Puerto Indio.

Apesar do acordo celebrado na sexta-feira (6), para permitir a passagem de caminhões-tanque e transportadores com produtos perecíveis, a imprensa local relatou bloqueios e manifestações violentas durante o fim de semana. Segundo o jornal ABC Color, um dos pontos de obstrução foi, justamente, no Km 30 em Minga Guazú.

Lei do Frete

O texto-base do projeto de lei que estabelece uma nova tabela de frete, com mecanismos de reajuste, foi aprovado no Senado na última quinta-feira (5), devendo voltar à pauta da Casa na sessão marcada para amanhã (10), para a discussão dos detalhes finais. A etapa seguinte será a tramitação, em regime de urgência, na Câmara dos Deputados.

As principais queixas dos motoristas devem-se à defasagem nos preços, que não acompanharam fatores como a alta do diesel. Por outro lado, entidades como a Federação das Cooperativas de Produção (Fecoprod) questionam a legalidade da matéria, argumentando que alguns dos artigos seriam inconstitucionais.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Guilherme Wojciechowski - H2FOZ

Guilherme Wojciechowski é repórter colaborador do H2FOZ. E-mail: [email protected] - Veja mais mais conteúdo do autor.