Paraguai diz que Argentina atrasa repasses em usina binacional

Segundo o Ministério da Economia e Finanças, argentinos não fizeram nenhuma das transferências mensais previstas em 2024.

Apoie! Siga-nos no Google News

O Ministério da Economia e Finanças do Paraguai divulgou, nessa segunda-feira (13), seu relatório referente ao mês de abril, detalhando as receitas recebidas pelo Estado paraguaio em 2024.

Leia também:
Tarifa de Itaipu: presidente do Paraguai confirma acordo com o Brasil

Um dos dados de maior repercussão na opinião pública do país diz respeito às duas hidrelétricas binacionais do país, ambas no Rio Paraná: Itaipu, mantida em sociedade com o Brasil, e Yacyretá, em conjunto com a Argentina.

Conforme o balanço, entre janeiro e abril de 2024, houve queda de 7,9% no total repassado pelas binacionais ao Tesouro Público paraguaio, na comparação com o mesmo período de 2023.

A explicação, segundo o gerente de Economia da pasta, Felipe González Soley, é o atraso nos repasses que a Argentina deveria fazer em Yacyretá, pela aquisição da energia não utilizada pelo Paraguai e automaticamente revendida no mercado argentino.

Segundo o jornal Última Hora, entre janeiro e abril, estavam previstos repasses mensais de pelo menos US$ 16 milhões (R$ 80 milhões) pelo governo argentino, que já vinha apresentando dificuldades para pagamento em 2022 e 2023, ainda durante a gestão de Alberto Fernández.

O Última Hora cita que a dívida argentina com o Tesouro Público paraguaio, até o mês de fevereiro, já estava em US$ 117,5 milhões (R$ 590 milhões), conforme dados da própria entidade binacional.

Em setembro do ano passado, o Paraguai chegou a suspender a venda de seu excedente de energia à Argentina, devido à falta de pagamento. Representantes do governo paraguaio negociam, com o governo de Javier Milei, uma solução definitiva para os atrasos.

LEIA TAMBÉM
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.