Presidente do Paraguai faz balanço dos 100 dias de governo

Santiago Peña, do Partido Colorado, tomou posse no último dia 15 de agosto, para mandato com cinco anos de duração.

Apoie! Siga-nos no Google News

O presidente do Paraguai, Santiago Peña (Partido Colorado), está completando, nesta quinta-feira (23), seus primeiros cem dias de governo, com a divulgação do tradicional balanço de ações adotadas no período inaugural da gestão.

Leia também:
Argentina: Alberto Fernández e Javier Milei iniciam transição

Em vídeo publicado nas redes sociais, Peña ressaltou pontos como o compromisso de não aumentar impostos, a redução nos preços de insumos importantes para a economia e conquistas como a abertura do mercado dos Estados Unidos para a carne bovina paraguaia, após longo processo conjunto entre os setores público e privado.

“Cada passo que damos como nação nos aproxima de um futuro melhor. O Paraguai é um país que tem tudo, mas o primeiro e o mais importante é cada um dos cidadãos. O Paraguai é o coração da América do Sul, é energia limpa e renovável, é água, terra fértil, o talento de sua gente, o gigante adormecido que vai mostrar ao mundo seu potencial”, afirmou Peña.



“Devemos continuar criando as condições que permitam gerar mais empregos de qualidade, melhorar a segurança, a qualidade da saúde e da educação, para colocar o Paraguai de pé diante do mundo. Tudo isso é possível se caminhamos juntos, passo a passo, colocando o bem-estar de todos os paraguaios em primeiro lugar”, complementou.

Para divulgar as ações, o governo paraguaio criou uma página especial sobre os cem dias, no endereço https://gobiernodelparaguay.gov.py/100-dias/.

O conteúdo lista cem ações, como a ampliação do atendimento noturno nos hospitais, a redução no preço dos combustíveis e do gás de cozinha na estatal Petropar, a criação de um projeto de moradias populares e o anúncio da contratação de mais agentes para a Polícia Nacional do Paraguai.

Santiago Peña é o sucessor do também colorado Mario Abdo Benítez, que governou o país entre 2018 e 2023. Ambos representam correntes rivais no interior da legenda, com Peña sendo vinculado à ala comandada pelo ex-presidente Horacio Cartes (2013–2018) e Abdo tendo despontado como líder dos movimentos contrários a Cartes no partido.

LEIA TAMBÉM