Presidente do Paraguai visita obras de acesso à Ponte da Integração

No local, Santiago Peña se encontrou com uma comitiva brasileira, liderada pelo vice-governador do Paraná, Darci Piana.

Apoie! Siga-nos no Google News

O presidente do Paraguai, Santiago Peña (Partido Colorado), esteve no lado paraguaio da fronteira, nessa quarta-feira (3), para cumprir agenda em locais como a Ponte da Integração, onde recebeu a companhia de uma comitiva brasileira.

Leia também:
Confira como estão as obras da Perimetral Leste em Foz do Iguaçu

O grupo foi liderado pelo vice-governador do Paraná, Darci Piana, e incluiu secretários estaduais e representantes de Foz do Iguaçu. O objetivo foi avaliar a possibilidade de abrir a ponte ao tráfego fronteiriço, mesmo que parcialmente, ainda em 2024.

Obras do futuro pátio de caminhões em Presidente Franco. Foto: Gentileza/MOPC
Obras do futuro pátio de caminhões em Presidente Franco. Foto: Gentileza/MOPC

Claudia Centurión, ministra de Obras Públicas e Comunicações do Paraguai, atualizou que os acessos imediatos à cabeceira paraguaia no município de Presidente Franco, bem como as principais estruturas de fiscalização, estarão concluídos até novembro.

Entretanto, as duas rodovias de circunvalação (Perimetral Leste no Brasil e Corredor Metropolitano del Este no Paraguai) têm previsão de entrega total somente para o final de 2025, o que poderá atrasar os planos.

“Estamos vendo como poderemos acelerar essas obras, há acessos que já podem ser usados em direção ao centro de Presidente Franco”, ponderou Peña, dizendo que o governo paraguaio pediu novas informações às empresas sobre o andamento de cada lote.

A visita do presidente à região incluiu passagem pela cidade de Mbaracayú, no entorno do lago de Itaipu, onde foram vistoriadas as obras de pavimentação da estrada de acesso a Puerto Indio, que faz fronteira lacustre com Santa Helena.

Peña também entregou casas no município de Hernandarias e participou do lançamento da expansão do sistema elétrico no departamento (estado) de Alto Paraná.

O presidente evitou, contudo, passar por um local onde manifestantes o aguardavam para exigir o pagamento de indenizações trabalhistas referentes às obras da usina de Itaipu, entre as décadas de 1970 e 1990.

LEIA TAMBÉM
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.