Traficantes de mulheres tinham como base Ciudad del Este

Três pessoas foram detidas nesta terça-feira, 8, em Ciudad del Este, suspeitas de participar de um esquema de tráfico de mulheres para a Espanha.

A ação da Polícia Nacional e do Ministério Público foi consequência de duas recentes prisões na Espanha, onde o esquema foi revelado pelas vítimas.

A polícia de León, na Espanha, prendeu um espanhol e uma paraguaia num prostíbulo, de onde foram resgatadas quatro paraguaias.

Essas mulheres relataram que foram levadas à Espanha por uma quadrilha com sede em Ciudad del Este.

DESDE 2010

Entre as detidas, as promotoras identificaram a irmã de uma paraguaia presa na Espanha. Foto MP

Segundo o Ministério Público, as vítimas contaram que foram atraídas a viajar à Espanha com falsas promessas de trabalho.

Já na Europa, eram obrigadas a se prostituir para pagar a viagem, custeada pelo dono do local noturno.

De acordo com a polícia espanhola, o esquema funcionava pelo menos desde 2010.

OPERAÇÃO JARDIM

A Operação Jardim teve a participação de cinco integrantes do Ministério Público. Foto MP

Denominada Operação Jardim, a ação do Ministério Público em Ciudad del Este, com apoio da Polícia Nacional, fez buscas simultâneas em seis locais.

A promotora María Isabel Arnold encabeçou a operação, que teve participação ainda das promotoras Carina Sánchez, Claudia Morys e Nathalia Acevedo, além da diretora técnica, Magdalena Quiñónez.

Nas buscas, foram encontradas evidências que confirmam a existência de uma quadrilha de tráfico internacional de pessoas.

IRMÃS NO TRÁFICO

Entre as três pessoas detidas em Ciudad del Este, está Eva Garcia, irmã de Nilsa Garcia, presa e processada na Espanha por esse crime.

O jornal Última Hora detalha que as vítimas eram obrigadas a pagar o custo da viagem, de aproximadamente 1.500 euros (cerca de R$ 9.200).

Na Espanha, houve detenções nas províncias de Cuenca e Alicante. Entre os detidos, há espanhóis, paraguaios e romenos, segundo a polícia espanhola.

DESAPARECIDAS

A emissora paraguaia Telesur noticiou que, até maio deste ano, a Divisão de Busca e Localização de Pessoas Desaparecidas do Paraguai recebeu 187 denúncias de desaparecimentos de mulheres.

Deste total, 66 foram localizadas, mas ainda é desconhecido o paradeiro das outras 121.

O diretor da divisão, comissário Walter Vázquez, disse que, na maioria dos casos, os desaparecimentos são de mulheres menores de idade.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.