A cerveja premiada com medalha de prata. Bom pra cervejaria, bom pra Foz. Foto Divulgação

Bar e Cervejaria 277, de Foz, ganha medalha de prata em concurso nacional de cervejas

A Cervejaria e Bar 277 Craft Beer, aqui de Foz do Iguaçu, conquistou medalha de prata para uma de suas cervejas, a Lager Oak – Barba de Serpente, na 9ª edição do Concurso Brasileiro de Cervejas 2021, em Blumenau (SC), no último dia 18, informa a Agência Estadual de Notícias (AEN).

A categoria em que ela concorreu – “Wood and barrel aged” (cervejas maturadas em barril de madeira envelhecida), uma nova tendência de mercado, é uma das mais disputadas.

A cerveja iguaçuense é maturada nos barris de carvalho usados para o envelhecimento das cachaças paranaenses Novo Fogo e Porto Morretes, campeãs em prêmios nacionais e internacionais – Porto Morretes foi considerada a melhor do Brasil. Ambas são fabricadas na cidade de Morretes, no Litoral do Estado.

Não por acaso, as cachaças premiadas também têm ligação com a Cervejaria 277: elas são produzidas em fábricas de Agenor Maccari Júnior, o dono do bar e cerveja iguaçuense.

Diz a AEN que a cerveja artesanal Lager Oak – Barba de Serpente – é um dos mais de 40 rótulos da 277. Agenor, responsável pela formulação da cerveja, reforça a importância do concurso para Foz do Iguaçu e Estado do Paraná. “A cena cervejeira em Foz está em franco crescimento”, destaca.

Guilherme Silvestre, mestre cervejeiro da empresa, acrescenta que ter um rótulo em uma das competições que envolvem as cervejas mais complexas do País coloca Foz no cenário nacional dessa categoria. “Nos motiva a continuar prezando sempre pela qualidade de nossos produtos”.

REPORTAGEM PERDIDA

O bar que veio mudar conceitos em Foz, com mistura de cultura, história e ingredientes de origem. Foto Divulgação

O bar 277 já foi destaque aqui no H2FOZ, em abril de 2019, na reportagem com o título “Bar 277 faz a própria cerveja e é um universo de referências. Conheça a “Garota de Capanema”. Infelizmente, a mudança para um novo programa de edição provocou a perda de várias matérias mais antigas. E esta foi uma das “vítimas”.

Só para lembrar, o texto mostrava como funciona a cerveja, que funciona ao lado do bar, de onde se pode ver os grandes barris usados na produção. Falava dos produtos escolhidos para a fabricação, todos com denominação de origem, isto é, de regiões que cumprem os requisitos necessários para a qualidade.

O nome do bar é referência à rodovia que trouxe os primeiros migrantes a Foz, vindos principalmente do Rio Grande do Sul, até meados dos anos 1900.

Alguns dos rótulos brincam com nomes da região, como a cerveja “Garota de Capanema”, que parodia a garota de Ipanema, mas remetendo à cidade vizinha.

PREMIAÇÕES

Voltando à matéria da AEN, o Paraná conquistou prêmios para 23 cervejas, no concurso brasileiro, em Blumenau, que reuniu 467 cervejarias de todo o País, com 3.162 rótulos em 134 categorias. O Paraná foi o terceiro colocado em número de medalhas com 50 premiações. O turismo cervejeiro é uma vertente do turismo gastronômico e a cerveja produzida no Estado é reconhecida nacionalmente.

O Rio Grande do Sul ficou em segundo lugar, com 53 premiações, e Santa Catarina conquistou o primeiro, com 64. Entre as estrelas do evento está a cerveja maturada em barris de madeira envelhecida.

As paranaenses competiram com gigantes do universo cervejeiro e venceram grandes nomes, como a Ambev, uma das maiores empresas do setor, e a Heineken, que está entre as grandes marcas mundiais.

O secretário estadual do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, disse que o segmento da cerveja artesanal deixou de ser uma bolha de mercado, ganhou robustez, se solidificando entre consumidores cada vez mais exigentes. “O turismo gastronômico é um segmento de destaque no Paraná e o setor cervejeiro está nesse contexto, com premiações e reconhecimento pela qualidade dos produtos”, disse.

BOM  PARA O TURISMO

De acordo com a AEN, a premiação à cerveja de Foz “é mais um componente que ratifica a posição do município do extremo Oeste como um dos mais procurados destinos turísticos do mundo, devido às suas belezas naturais e, também, pelo leque diversificado de atrativos na área de gastronomia.

Destaca, ainda, que Foz do Iguaçu é o primeiro município paranaense que tem uma lei especifica de apoio às microcervejarias. A legislação vem fomentando o mercado local e atraindo novas empresas.

O secretário Márcio Nunes observou que a premiação da cervejaria de Foz une dois destinos turísticos importantes na rota gastronomia. “Os barris da melhor cachaça do País foram usados para fabricar a cerveja. Um novo roteiro de viagem pode ser traçado entre o Litoral e o extremo Oeste do nosso território pelo turista que busca a qualidade e os sabores exóticos de comida e bebidas.

Processo de mistura dos ingredientes e fervura.
Equipamentos usados para a produção de mais de 40 rótulos de cerveja da 277.

CRISE NO MERCADO

Com a crise econômica, o pequeno empresário sabe que é necessário ampliar as possibilidades de venda. Desde o início da pandemia, a venda da bebida caiu 70%, conforme divulgou a Associação de Microcervejarias do Paraná (Procerva), em dezembro de 2020.

De acordo com o presidente da Procerva, Iron Mendes, a cerveja artesanal paranaense gera cerca de 400 empregos diretos em 41 microcervejarias associadas à entidade. Segundo ele, proporcionalmente, o setor gera mais empregos por litro produzido que os grandes fabricantes. Com a pandemia, houve uma redução de 30% dessa força de trabalho.

Apesar do baque econômico, o presidente da Paraná Turismo, Jacob Mehl, afirma que a premiação é um importante indicativo de que o setor estadual está consolidado.

“Ter 50 premiações num concurso gigantesco como esse, após 365 dias com restrição da circulação de pessoas, é resultado do empreendedorismo do paranaense que está sempre inovando e buscando qualidade para os seus produtos. É essa característica que faz do Paraná um Estado cada vez mais competitivo”, concluiu o presidente.

LEI DE FOZ APOIA CERVEJARIAS ARTESANAIS

André Poletti, assessor de Marketing da Paraná Turismo, ressalta que Foz do Iguaçu, o maior polo de turismo internacional do Estado, oferece uma gastronomia rica e diversificada. “O resultado do CBC atesta a qualidade do produto cervejeiro apresentado pelo Paraná e a potencialidade do nosso principal cartão de visitas, as Cataratas do Iguaçu”.

No município, a alteração da Lei 4.559/2017 facilitou o processo de regularização e consolidação da atividade para estabelecimentos que não ultrapassam o limite de 20 mil litros mensais de produção e armazenagem. “O poder público incentivou o surgimento de novas empresas e essa premiação para uma cervejaria da nossa cidade é resultado desse trabalho”, disse o secretário de Turismo de Foz do Iguaçu, Paulo Angeli. “Inseriu o destino na rota do turismo gastronômico”.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 908 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ