Johnson Mateus Santos em entrevista ao programa Marco Zero - Foto: Carlos Sossa

Sopão, cobertores e solidariedade: projeto Anjos da Madrugada leva ajuda a moradores de rua em Foz

A Kombi dos voluntários percorre 80 quilômetros por ruas, praças e favelas, e passa no terminal de ônibus. Assista à entrevista.

Há 17 anos, um grupo de voluntários oferece amparo a pessoas em situação de rua e vulnerabilidade em Foz do Iguaçu. Sopa, café com leite, cobertores, banho quente e capa de chuva são algumas iniciativas do projeto Anjos da Madrugada.

À frente desse trabalho solidário está Johnson Mateus Santos, que é apoiado por mais de cem voluntários. Em entrevista ao Marco Zero, programa do H2FOZ e da Rádio Clube FM, ele detalhou como é distribuir um pouco de esperança e aquecer corações nas ruas iguaçuenses.

Assista à entrevista:

Conforme Johnson, a distribuição de alimentos e materiais para a população de rua ocorre aos sábados e quartas-feiras. A Kombi sai da região do Jardim Itália e passa por praças, favelas, ruas, espaços comerciais abandonados e no terminal de ônibus.

“Percorremos 80 quilômetros pelas ruas da cidade”, informou. No último sábado, o comboio solidário distribuiu 240 litros de sopa, 40 litros de café com leite e 20 litros de chá, além de 560 pães com mortadela e 250 torradas. Por causa do frio e da chuva, foram entregues cobertores e capas.

O trabalho termina de madrugada, por volta de 1h ou 2h. “Nossos projetos atendem 550 pessoas, sendo 280 moradores de rua”, explicou Johnson Mateus Santos. Os alimentos e materiais distribuídos são resultado de doações ou comprados pelo projeto, com dinheiro arrecadado nos semáforos pela Patrulha Canina, formada por voluntários vestidos de personagens.

No inverno, devido ao frio e às noites mais úmidas, as ações dos Anjos da Madrugada são ainda mais relevantes. “O que mais prejudica é a chuva, porque os moradores de rua não têm onde ficar. Tem lugares que estão sendo fechados pelos proprietários, por isso estamos doando capa de chuva”, disse o voluntário.

Projeto reúne mais de 100 voluntários e atende 280 moradores de rua – Foto: Divulgação

Conforme Johnson, a quantidade de alimentos distribuídos pelo projeto está aumentando, o que pode representar elevação no número de pessoas em situação de rua. “E muitas pessoas ficaram sem trabalho por causa da pandemia”, apontou.

Além das dificuldades para manter o projeto voluntário, Johnson Mateus Santos afirma que o poder público questiona a atividade. “A visão da Secretaria de Ação Social é que doando banho e sopão nós estamos incentivando a pessoa a ficar na rua. Esse não é caso de Toledo, que nos convidou para realizar um trabalho em parceria”, expôs.

O projeto que será compartilhado com Toledo é o banho móvel. “É o primeiro trailer do Brasil ecologicamente correto. O banho quente tem aquecedor, não precisamos de energia nem água, pois o equipamento já tem um reservatório, e podemos coletar água da chuva e fazer o seu tratamento”, explicou.

Entre as próximas ações, adiantou Johnson, o projeto está construindo um barracão na ocupação do Portal da Foz para ser uma padaria comunitária. “Vamos fazer pão a custo acessível para a comunidade”, pontuou.

Para ajudar, entre em contato: (45) 9 9904-9733.

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Paulo Bogler - H2FOZ tem 1162 posts e contando. Ver todos os posts de Paulo Bogler - H2FOZ