Projeto irá introduzir colmeias de abelhas sem ferrão em parques urbanos

Ação será utilizada como ferramenta de educação ambiental - Foto: Gilson Abreu/AEN

O objetivo é implantar Jardins de Mel nas áreas públicas das cidades do estado; abelhas nativas sem ferrão polinizam 90% das plantas.

O Governo do Paraná acaba de lançar um programa para a instalação de colmeias de abelhas nativas sem ferrão nos parques urbanos do estado. Trata-se de ação a ser replicada pela Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest) em todos os municípios do projeto Jardins de Mel, idealizado em Curitiba (PR).

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

As abelhas nativas sem ferrão são responsáveis pela polinização de cerca de 90% das plantas brasileiras. O objetivo do programa é utilizar a implantação de colmeias como ferramenta de educação ambiental, mostrando a importância e os benefícios dos serviços ecossistêmicos prestados pelos insetos.

A iniciativa ainda almeja reintroduzir polinizadores nativos em seus locais de origem, pois muitos se encontram ameaçados de extinção. “A abelha tem uma função muito importante na natureza. Onde tem abelha, tem saúde, qualidade de vida e do ar. É um termômetro para medir o ambiente que estamos vivendo”, afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD).

Metar é distribuir jardins de mel em todas as cidades do Paraná – Foto: Gilson Abreu/AEN

Das 420 espécies de abelhas sem ferrão do mundo, 300 vivem no Brasil, e aproximadamente 38 estão no Paraná. Cerca de cem espécies de meliponíneos que ocorrem no Brasil se encontram em risco de extinção, e isso se deve ao desmatamento, à poluição e às mudanças climáticas.

As primeiras colmeias foram implantadas no Chapéu Pensador, na capital do Paraná, como um piloto. Até o momento, são 17 municípios com convênios de Parques Urbanos e Poliniza assinados. Hoje, o Paraná conta com mais de cem parques urbanos em construção, e nesses locais é obrigatória a implantação dos jardins de mel.

Mais abelhas

Entre os benefícios do projeto está o aspecto turístico, que pode ser explorado nas comunidades e municípios. Segundo a Agência Estadual de Notícias (AEN), técnicos da Sedest e da prefeitura promoverão capacitações quanto à manutenção das casinhas das abelhas e trabalharão a educação ambiental usando as abelhas.

São benefícios da reintrodução de abelhas nativas nos espaços urbanos a polinização, que é o processo que garante a produção de frutos e semente, e a reprodução de plantas, promovendo a biodiversidade. “Além disso, as abelhas auxiliam na produção de cerca de 90% dos alimentos no mundo e são de extrema importância para a agricultura mundial”, informou a AEN

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.