Cada vez é mais fácil contratar seguros em plataformas 100% digitais

Novas medidas da Susep procuram ampliar a oferta de seguros para veículos e estimular a inovação no segmento para alcançar mais pessoas.

Sem dúvidas queremos proteger e cuidar o que temos de mais valioso: a família, nossa vida e nossos bens materiais e patrimônio (joias, carros, casas, empresas, etc.). Com esse intuito temos diversas opções de seguro, que em caso de acidentes ou problemas, pelo menos nos auxilia com assistência e economicamente, deixando que possamos focar no que é realmente importante.

Apesar dessa grande vantagem, ainda são muitos os brasileiros que consideram os seguros somente um gasto, afinal de contas é usado só quando ocorre um sinistro e sempre agimos procurando evitá-los. Prova disso é que apenas 30% dos proprietários de veículos no país têm um Seguro Auto.

Também há outra questão em jogo: a contratação. Em geral, é demorada e muitas vezes complicada para quem não está no setor de seguros. Porém, com a aceleração dos processos digitais e o crescimento das Insurtechs (startups criadas para simplificar a contratação dos seguros com o apoio das novas tecnologias), o processo está mais fácil para o cliente. Principalmente, depois de tantas mudanças no ano passado.

Vendo a importância de facilitar a vida do (futuro) cliente a Superintendência de Seguros Privados (Susep), órgão que autoriza, controla e fiscaliza o mercado de seguros, publicou a Circular nº 639 com novas disposições e critérios que visam facilitar o processo de contratação dos seguros para veículos. A melhor parte, é que entra em vigência em poucos dias, a partir de 1 de setembro de 2021.

As mudanças vão trazer benefícios para os futuros segurados, mas não significa que ao contratar um seguro contra todos os riscos ou uma cobertura parcial para seu carro se escapará do processo. Nesse sentido, será muito importante a pesquisa e as simulações antes de assinar um contrato, para poder comparar e fazer uma boa escolha.

Entre as novas mudanças para a contratação do seguro auto estão as seguintes possibilidades:

  • Contratar sem indicar exatamente qual é o veículo. Medida útil para motoristas de aplicativos que compartilham veículos ou usam carros por assinatura ou alugados.
  • Contratar coberturas RCF-V (Responsabilidade Civil Facultativa) e APP (Acidentes Pessoais de Passageiros) que estejam vinculadas ao motorista e não ao seu veículo.
  • Contratar coberturas de casco (para a estrutura do veículo) com aceitação parcial dos riscos por parte da seguradora. Isto irá permitir mais inovações no setor, ao oferecer menos restrições, as seguradoras poderão ampliar suas propostas de seguro.

Atualmente o mercado de Seguro Auto é o responsável de arrecadar R$ 17,43 bilhões até o mês de junho, 6,8% a mais do que foi arrecadado no mesmo período do ano passado. No entanto, como já foi dito, apenas 33% da frota de veículos com menos de 10 anos conta com seguros, segundo dados do Denatran e da Susep. Estas mudanças têm o objetivo de oferecer mais produtos aos clientes e assim promover o desenvolvimento do mercado de seguros.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

NEGÓCIOS

Esta página faz parte da seção Negócios e não integra o conteúdo jornalístico do H2FOZ.

NEGÓCIOS tem 79 posts e contando. Ver todos os posts de NEGÓCIOS