Eliminar criadouros do Aedes aegypti contribui no combate à doença - Foto: Secretaria Estadual de Saúde

Dengue em Foz tem 3,9 mil notificações e 203 casos confirmados

As regiões Norte e Leste da cidade concentram a maior quantidade de casos.

Boletim sobre a evolução da dengue divulgado pela Prefeitura de Foz do Iguaçu nesta quarta-feira, 13, mostra que a cidade tem 3.951 notificações e 203 casos confirmados da doença. Os dados referem-se ao período epidemiológico iniciado em agosto do ano passado.

Com 53 ocorrências cada uma, as regiões Norte (26%) e Leste (26%) concentram a maior quantidade de casos. Em seguida estão as áreas Sul (20%), Oeste (19%) e Nordeste (7%). Dois casos são importados do Paraguai e um de outra localidade brasileira.

Pelo informe semanal da saúde municipal, há 16 situações de dengue com sinais de alarme e outras 14 na sua manifestação grave. De agosto até o momento, duas pessoas perderam a vida em decorrência da doença, que tem como vetor o mosquito Aedes aegypti.

Com base no último Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti (LIRAa), Foz do Iguaçu figura na condição de “alto risco para epidemias e doenças transmitidas pelo Aedes”. O estudo, em novembro, mostrou aumento do número de larvas e da infestação do vetor da dengue.

A saúde pública orienta que o primeiro atendimento para dengue é na unidade básica de saúde nos bairros, tão logo sejam percebidos os sintomas. São indícios da doença, por exemplo, febre, dor muscular, mal-estar, dor de cabeça e dor ao movimentar os olhos.

Em alguns casos, entretanto, a doença provocada pelo Aedes aegypti pode não ocasionar sintomas iniciais, mas ainda assim evoluir para quadros graves.

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Paulo Bogler - H2FOZ tem 1165 posts e contando. Ver todos os posts de Paulo Bogler - H2FOZ