Mulheres ganham R$ 650 menos do que homens em Foz do Iguaçu

Elas recebem 80% da remuneração média dos homens; dados são do Ipardes, vinculado ao Governo do Paraná.

Apoie! Siga-nos no Google News

Levantamento do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes) mapeou o salário médio de mulheres e homens nas 399 cidades do estado. Em Foz do Iguaçu, elas recebem R$ 654 a menos, demonstra o estudo (acesse aqui).

LEIA TAMBÉM: Hospital Municipal decide devolver mamógrafo de R$ 690 mil após quase três anos sem uso

No município iguaçuense, as mulheres ganham R$ 2.766,87, o que representa 80% dos R$ 3.421,17 obtidos pelos homens, na média. Nesse quesito, a cidade ocupa o 373.º lugar entre as 399 localidades do estado.

Para o ranking, o instituto oficial do Governo do Paraná utilizou os dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) de 2021. O estudo foi divulgado nesta semana, alusivo ao Dia Internacional das Mulheres.

A partir dos mapeamento geral divulgado pelo Ipardes, o H2FOZ produziu um ranking do salário médio de mulheres e homens nas dez cidades mais populosas do Paraná. Por esse critério, Foz do Iguaçu fica na sétima colocação.

Entre os maiores municípios, o índice de disparidade dos salários coloca a cidade iguaçuense em pior situação, atrás de Guarapuava, Colombo, Cascavel, Maringá, Londrina e Ponta Grossa. E em melhor posição, à frente de Curitiba, São José dos Pinhais e Araucária.

Em valores absolutos, a menor diferença salarial entre homens e mulheres, no grupo das dez maiores cidades, está em Guarapuava (-R$ 21), Colombo (-R$ 44) e Cascavel (R$ 335). A maior defasagem aparece em Araucária (-R$ 1.093), São José dos Pinhais (-R$ 740) e Curitiba (-R$ 676).

Ranking salarial de mulheres e homens nas 10 maiores cidades do Paraná:

Guarapuava (104.º lugar no ranking geral das 399 cidades)

  • Mulheres: R$ 2.970,01
  • Homens: R$ 2.991,20
  • Diferença: -R$ 21,19

Colombo (122.º lugar)

  • Mulheres: R$ 2.702,44
  • Homens: R$ 2.747,36
  • Diferença: -R$ 44,92

Cascavel (266.º lugar)

  • Mulheres: R$ 2.647,44
  • Homens: R$ 2.982,64
  • Diferença: -R$ 335,20

Maringá (289.º lugar)

  • Mulheres: R$ 2.772,74
  • Homens: R$ 3.150,92
  • Diferença: -R$ 378,18

Londrina (309.º lugar)

  • Mulheres: R$ 2.896,78
  • Homens: R$ 3.303,78
  • Diferença: -R$ 407,00

Ponta Grossa (320.º lugar)

  • Mulheres: R$ 2.674,74
  • Homens: R$ 3.106,83
  • Diferença: -R$ 432,09

Foz do Iguaçu (373.º lugar)

  • Mulheres: R$ 2.766,87
  • Homens: R$ 3.421,17
  • Diferença: -R$ 654,31

Curitiba (376.º lugar)

  • Mulheres: R$ 3.874,94
  • Homens: R$ 4.551,50
  • Diferença: -R$ 676,56

São José dos Pinhais (385.º lugar)

  • Mulheres: R$ 3.036,35
  • Homens: R$ 3.777,09
  • Diferença: -R$ 740,74

Araucária (397.º lugar)

  • Mulheres: R$ 2.891,43
  • Homens: R$ 3.984,94
  • Diferença: -R$ 1.093,51

No Paraná

O estudo do Ipardes demonstra que o salário médio das mulheres é mais alto que o dos homens em 93 municípios do Paraná, o que equivale a 23% das localidades. Esse percentual supera Santa Catarina (13%) e Rio Grande do Sul (19%).

O diretor-presidente do instituto, Jorge Callado, atribui a remuneração mais elevada das mulheres, observada em muitos municípios, à alta participação de trabalhadoras em atividades específicas, como a educação.

“A área de ensino exige profissionais de alta qualificação e escolaridade, que, por isso, recebem salários mais elevados que a média”, afirma. Além disso, há outros fatores que colaboram para esse índice.

E a escolaridade influencia na remuneração. A radiografia do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social apresenta o estrato salarial médio por grau de ensino das mulheres:

  • ensino superior: R$ 5.055;
  • ensino superior incompleto: R$ 2.445;
  • ensino médio completo: R$ 1.999; e
  • ensino fundamental completo: R$ 1.598.

Indicadores

O Ipardes elaborou o diagnóstico a partir de informações laborais, significando que são dados de registros em carteira de trabalho. Quanto à média salarial, há outros fatores regionais, que não foram alvo do levantamento, como renda com e sem a incidência de salários públicos, ou ainda a renda proveniente da informalidade.

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.