Paraguaio com covid-19 pede que médica faça vídeo pra vizinhos acreditarem na doença

H2FOZ – Cláudio Dalla Benetta

“Meus vizinhos não creem na doença, mostre pra eles”, pediu um homem de 70 anos à médica que o atendia, ao dar entrada no Hospital Integrado Respiratório de Ciudad del Este, informa o jornal La Nación.

O vídeo, publicado na terça-feira, 4, no Twitter, mostra o paciente, com graves dificuldades para respirar, recebendo ajuda mecânica de um respirador. Logo a seguir ele foi para uma unidade de terapia intensiva.

A médica Leticia Pintos (foto), diretora de Terapia Intensiva do Ministério da Saúde, foi quem compartilhou o vídeo de seu paciente.

“Isto é covid-19, a falta de ar. Foi nosso compatriota quem nos disse que mostremos o quanto sofrem (os doentes). Para os incrédulos”, disse a médica no Twitter.

Segundo Leticia Pintos, o paciente é de Ciudad del Este. Ele contou à médica que tem vizinhos que não acreditam na covid-19.

“Ele pediu: 'vamos mostrar'. Eu então lhe disse: 'vamos publicar'”, contou a dra. Leticia. E disse que o paciente “tem 70 anos, mas parece mais jovem. Seu quadro pulmonar é bastante delicado”.

Veja o vídeo

Junto com o vídeo, ela também compartilhou a tomografia que mostra o pulmão dele completamente afetado, com a intenção de criar consciência sobre como o vírus afeta os órgãos.

A tomografia mostra o pulmão do paciente completamente lesionado.

“Essa doença faz com que o pulmão se compacte e não entre ar, reduz a capacidade funcional. São muitíssimos os casos de pacientes que apenas respiram um pouco mal, mas têm o pulmão assim danificado”, explicou.

A diretora de Terapias Intensivas da Saúde Pública, que atua em Ciudad del Este, informou que os pacientes que precisam utilizar respirador permanecem na UTI durante pelo menos três semanas. Há pacientes que estão internados há um mês devido às sequelas da doença.

Ciudad del Este no limite

Leticia Pintos lamentou que o sistema de saúde em Ciudad del Este esteja no limite, devido à ocupação de leitos por pacientes com coronavírus. Ela se preocupa especialmente com a falta de intensivistas, que são os médicos especializados no atendimento em UTIs.

Segundo a dra. Leticia, o déficit de intensivistas é regional. “Em todos os países há poucos intensivistas. Na Argentina até os dermatólogos estão trabalhando em UTIs porque não há especialistas suficientes e porque também (os especialistas) ficam doentes. Não se aprende terapia intensiva em pouco tempo, precisa muito tempo e prática”, destacou.

Quando o Paraná declarou medidas mais restritivas em vários municípios (inclusive Foz), para diminuir a proliferação de casos de covid-19, um dos argumentos do governador Ratinho Jr foi justamente a carência de intensivistas. Existem leitos de UTI ainda suficientes, mas não profissionais que permita aumentar esse número.

Em Ciudad del Este, disse ainda a médica, “as salas de terapias estão cheias e foram habilitadas salas de reanimações nas urgências. Estamos vendo trasladar pacientes até o Hospital Nacional de Itauguá (departamento Central) ou ao Ineram (Assunção) para que (as salas) não encham completamente”, disse a médica.

O Paraguai tem hoje 5.852 casos confirmados de covid-19, com 59 mortes. Alto Paraná concentra o maior número de casos do país – 46,5% do total.

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.