Moradores de Foz do Iguaçu enfrentam “apagões” e temem queima de equipamentos

Queixas partem de todas as regiões da cidade. Confira os relatos e a explicação da Copel.

Apoie! Siga-nos no Google News

Além de lidar com as altas temperaturas durante o dia, os moradores de Foz do Iguaçu têm enfrentado diariamente “apagões” de energia, principalmente durante a noite. Em grupos de reclamações, os relatos indicam que a situação não se limita a apenas um bairro, estendendo-se por praticamente toda a cidade.

Nos comentários, uma moradora da Vila Carimã relata que está sem energia elétrica desde domingo (14); um residente do Porto Meira afirma que é comum passar horas sem luz; do Porto Belo, outra testemunha menciona que a energia chegou a cair seis vezes em apenas dez minutos. As reclamações se espalham pela região central, Jardim Petrópolis, Vila C, Jardim Alice, Jardim Bourbon, Jardim São Rafael, Vila Adriana, entre outros.

Quando a luz volta, a preocupação é com os equipamentos eletrônicos, suscetíveis a danos por descargas elétricas. Um morador informa já ser a segunda vez que o motor do portão queima. Simone Maciel, residente na região da KLP, menciona que seu televisor, com apenas três anos de uso, ficou danificado após um dos picos de energia. Ela revela nunca ter recebido o respaldo adequado da Copel.

“Após uma dessas quedas, a TV ficou escura e só saía o áudio. Imediatamente, registramos uma reclamação na Copel com o registro do dia e horário. Levei o aparelho para consertar e desembolsei R$ 90 para obter um laudo que constatou a queda de energia como causa do problema. Mesmo assim, a Copel alegou que não constava o registro de queda naquele horário conforme o protocolo”, conta.



O jeito agora é precaver-se de novos problemas. “Ontem, quando começou a haver quedas de energia, desliguei os aparelhos e não os liguei mais. Com uma criança de 5 anos de férias em casa, não podemos arriscar assistir TV, pois os equipamentos podem queimar.”

Em meio às dificuldades, há quem encare a situação com bom humor. “O jeito é comprar um motor de Scania e fazer de gerador”, ironiza um internauta. O morador da Vila C Rafael Rodrigues também brinca: “Quarta-feira, 17 de janeiro de 2024, deixe abaixo seu palpite de quantas vezes a energia vai acabar hoje…” Ele sentiu na pele o problema das oscilações de energia. “Agora, a minha TV está com listras no meio da tela, e a gente não sabe a quem recorrer para arcar com os prejuízos.”

As explicações da Copel

Questionada pelo H2FOZ sobre a situação, a Copel, por meio de sua assessoria de imprensa, informou ao portal os motivos que teriam ocasionado as quedas de energia dessa terça-feira (16). Veja na íntegra:

“Foz do Iguaçu, 17/01 – 11h45 – Um animal que entrou em uma subestação da Copel no bairro Vila Yolanda, em Foz do Iguaçu, casou curto-circuito em equipamentos no local, resultando em breves desligamentos de energia ontem (terça-feira, dia 16). O primeiro desligamento aconteceu em função do curto-circuito causado pelo animal às 22h34, durou dois minutos e atingiu cerca de 28,8 mil clientes, que, em seguida, passaram a ser atendidos por outro equipamento da subestação. A Copel precisou realizar novo desligamento breve, que também durou dois minutos, às 22h43, para realizar manobras na subestação para retirar o animal. Neste momento, cerca de 50 mil unidades consumidoras sofreram a falha momentânea (piscada). Às 23h09, uma nova piscada foi necessária para voltar à configuração normal da subestação.

Temporal – A região de Foz do Iguaçu registrou temporais localizados, acompanhados de ventos, durante a tarde desta terça-feira (dia 16), que causaram desligamentos localizados.”

Problema recorrente

Não foi a primeira vez que os moradores de Foz se queixaram de “apagões”. Diante da situação recorrente, Mateus Schindler, morador do Jardim Ipê, decidiu buscar esclarecimentos com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em dezembro. A agência notificou a Copel, que duas semanas depois enviou uma resposta técnica ao consumidor.

No ofício, a companhia informa não ter sido identificada violação do indicador FIC (Frequência de Interrupção Individual por Unidade Consumidora). Consequentemente, a reclamação sobre a falta frequente de energia foi considerada improcedente, de acordo com os critérios estabelecidos pela Aneel.

O comunicado prossegue: “Com o intuito de solucionar as interrupções/falhas momentâneas e corrigir possíveis defeitos que possam estar causando as faltas de energia elétrica na rede de distribuição, estão em andamento ações de inspeções/manutenções preventivas e intervenções na Subestação/Alimentadores da Unioeste devido a restrições de carga, previstas para ocorrer nos próximos 45 dias.”

LEIA TAMBÉM