Itaipu poderá reduzir tarifa da energia já em 2022, diz diretor-geral brasileiro da usina

General João Ferreira: em 2023, 70% do orçamento deixam de ser usados no pagamento das dívidas de construção. Fotos: Rubens Fraulini

No dia em que Itaipu comemora 37 anos de operação (a usina começou a gerar energia em 5 de maio de 1984), o diretor-geral brasileiro, general João Francisco Ferreira, divulgou artigo no qual afirma que trabalhará para que, já em 2022, a tarifa de energia da binacional possa ter uma redução.

Ele lembra que, em 2023, quando o Tratado de Itaipu completará 50 anos, o Anexo C, que trata das bases financeiras da prestação dos serviços de eletricidade, poderá ser revisto pelas altas partes contratantes da usina, isto é, os governos do Brasil e do Paraguai.

As dívidas contraídas para a construção da usina estarão praticamente quitadas, em 2023. “Com isso, a tarifa de Itaipu não terá mais entre seus custos o valor desses empréstimos, que correspondem a cerca de 70% do orçamento binacional da usina”, diz Ferreira.

“Com a quitação, os recursos que permanecerem serão, portanto, aqueles utilizados para o custeio, o pagamento das obrigações em royalties, sem que nenhuma das margens, brasileira e paraguaia, sofra qualquer perda. E os recursos para obras em benefício direto da população regional continuarão preservados.”

Mesmo com tarifa mais baixa, Itaipu continuará investindo “na atualização tecnológica da usina, na preservação do meio ambiente e nas obras estruturantes, que possam cooperar com o desenvolvimento social e econômico de toda a região”, afirma.

As obras estruturantes, como a Ponte da Integração Brasil-Paraguai, a Perimetral Leste e a ampliação e modernização do aeroporto internacional de Foz, entre outras, foram iniciadas na gestão do general Joaquim Silva e Luna, que decidiu investir num legado da usina por não conseguir, como ele próprio informou, a redução na tarifa, como pretendia inicialmente.

RESPONSABILIDADE SOCIAL

Desde1984, Itaipu gerou 2,8 bilhões de megawatts-hora. Foto Alexandre Marchetti

Nos 37 anos de operação, Itaipu atingiu a produção acumulada de 2,8 bilhões de megawatts-hora, suficientes para iluminar o mundo inteiro por 45 dias.

Essa produção veio acompanhada “de um cuidadoso trabalho de preservação e recuperação do meio ambiente, com reconhecimento internacional”, diz o diretor-geral brasileiro.

Quando assumiu, no dia 7 de abril deste ano, João Francisco Ferreira conta que tinha “a exata noção de que esta usina é mais do que um empreendimento do setor elétrico: é sinônimo de progresso, de desenvolvimento e de responsabilidade social, tanto no Brasil como no Paraguai”.

“E esta responsabilidade social inclui a redução do custo da energia de Itaipu, para que brasileiros e paraguaios paguem menos na conta de luz”, conclui o diretor-geral brasileiro.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 1047 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ