Mandados no Paraguai e em 6 estados: PF faz ação contra grupo que lavava dinheiro do tráfico

Policiais foram às ruas nas operações Spectrum e Fluxo Capital - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Uma das operações mira familiares do “Cabeça Branca”, acusado de ser um dos maiores traficantes de drogas do Brasil.

A Polícia Federal (PF) no Paraná foi às ruas, na manhã desta quinta-feira, 3, em duas operações simultâneas. O objetivo era desarticular eventual organização criminosa que atua com lavagem de dinheiro do tráfico de drogas.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

A primeira delas é a Sucessão, um desdobramento da Operação Spectrum, que cumpre ordem judiciais contra familiares do traficante Luiz Carlos da Rocha, o “Cabeça Branca”, os quais “teriam ajudado na lavagem de dinheiro obtido de forma ilícita”, segundo a PF. “Cabeça Branca” é considerado “um dos maiores traficantes de drogas do Brasil”.

A Operação Fluxo Capital visa a “desmantelar organização criminosa responsável pela lavagem de dinheiro por meio de movimentações milionárias”, reportam os policiais federais. O grupo acusado envolveria laranjas, empresas de fachada e contadores para as operações tidas como ilícitas.

São cumpridos os seguintes mandados:

  • 39 de busca e apreensão;
  • 19 de prisão temporária, em seis estados; e
  • 7 de busca e apreensão no Paraguai, com a ajuda do Ministério Público do país vizinho.

Conforme a PF, o controle do movimento do dinheiro era feito por doleiros, donos de casas de câmbio, instalados no Paraguai. O grupo alvo das operações auxiliava o traficante “Cabeça Branca” a lavar dinheiro, de acordo com as investigações policiais.

Os mandados em território paraguaio são resultado do compartilhamento de informações com a Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) e com o Ministério Público do Paraguai, a Fiscalia.

Durante as apurações, foram apreendidos cerca de R$ 12 milhões em dinheiro. Um dos investigados movimentou R$ 4 bilhões em empresas controladas direta ou indiretamente por ele.

As ações contra o grupo incluem sequestro de imóveis, bloqueio de valores em contas bancárias, suspensão das atividades de empresas envolvidas e das licenças profissionais (CRC) dos contadores investigados.

(Com informações da Polícia Federal e Agência Brasil)

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.