Polícia do Paraguai apreende cocaína em van de turismo na fronteira

Duas pessoas foram presas durante o procedimento na Supercarretera de Itaipu, em Hernandarias. Imagem: Polícia Nacional do Paraguai.

Duas pessoas foram presas com a abordagem ao veículo na Supercarretera de Itaipu, em Hernandarias.

A Polícia Nacional do Paraguai interceptou, na madrugada de domingo (10), um carregamento com 388 quilos de cocaína, que tinha como destino o Brasil. A droga foi descoberta em uma van de turismo abordada na Supercarretera de Itaipu, em Hernandarias. Dois homens, de nacionalidade paraguaia, receberam voz de prisão.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

De acordo com a instituição policial, quatro passageiras (uma delas, brasileira) foram liberadas por não haver constatação de envolvimento com o crime. O entorpecente foi trazido da região de Pedro Juan Caballero, fronteira seca com Ponta Porã (MS). O local de entrega em território brasileiro não foi revelado.

O uso da van de turismo era uma tentativa de enganar a fiscalização, tendo em vista a grande movimentação de viajantes. Desde o último sábado (9), aumentou o número de paraguaios que ingressam ao Brasil pela Ponte Internacional da Amizade, em razão da programação de viagens no período de Semana Santa e Páscoa.

A cocaína, dividida em 364 “tijolos” ou “pães”, estava oculta em um fundo falso do veículo. Os dois homens presos, que atuavam como motorista e ajudante, foram encaminhados à sede regional do Departamento Antinarcóticos da Polícia Nacional do Paraguai, onde permanecem à disposição da Justiça.

Neymar

Na última quarta-feira (6), policiais paraguaios apreenderam, também em Hernandarias, cerca de 800 quilos de maconha nos pneus de um caminhão de grande porte que seguiria em direção ao Brasil. O procedimento chamou a atenção da imprensa mundial por um detalhe pitoresco: a droga trazia, no “rótulo”, foto do jogador brasileiro Neymar.

A apreensão de maconha com o rosto de celebridades, personagens ou atletas não é, exatamente, uma novidade no Paraguai. As “embalagens”, muitas vezes com fotos aleatórias, servem como uma espécie de código para que vendedores e compradores identifiquem a propriedade do entorpecente.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Guilherme Wojciechowski - H2FOZ

Guilherme Wojciechowski é repórter colaborador do H2FOZ. E-mail: [email protected] - Veja mais mais conteúdo do autor.