Supermercados limitam venda de óleo e farinha na Argentina

Imagens compartilhadas por usuários nas redes sociais mostram a escassez nas prateleiras.

Escassez é um dos efeitos da guerra entre Rússia e Ucrânia, que vem afetando estoques de trigo e óleos vegetais.

Percebeu que os preços de produtos como óleo de girassol, óleo de soja e farinha de trigo dispararam desde o final de fevereiro, quando a Rússia invadiu a Ucrânia? Embora distante, o conflito mexeu com a oferta de cereais e oleaginosas, fazendo com que mesmo grandes produtores, como Brasil e Argentina, registrem falhas no abastecimento.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

Nesta quarta-feira (4), o jornal El Territorio publicou matéria mostrando que mercados da província de Misiones, onde fica Puerto Iguazú, estão limitando a quantidade por cliente, devido à dificuldade de reposição dos estoques.

No caso das garrafas de óleos de soja, milho ou girassol, o máximo em muitos estabelecimentos é de três unidades por grupo familiar, além de “cotas” que variam de três a dez quilos de farinha de trigo. “Tal situação vem sendo observada desde março e se acentuou ainda mais nas últimas semanas”, escreveu o jornal.

Assim como o Brasil, a Argentina é uma das grandes produtoras mundiais de óleos vegetais e cereais. A escassez regional ocorre, entre outros fatores, pelo aumento da procura no mercado mundial, uma vez que a cadeia de distribuição dos produtos russos e ucranianos foi interrompida pelo conflito.

A publicação destaca, ainda, a existência de problemas internos. “Outra das razões é o subsídio aos preços, pago pelo governo nacional. Muitas vezes, os fabricantes precisam aguardar o desembolso dos subsídios para poder vender pelo preço estipulado. Enquanto o dinheiro não entra, os produtos não saem à venda”, complementou o El Territorio.

Prazos de entrega, que antes eram de sete dias, agora são de no mínimo duas semanas. A previsão, segundo o jornal, é que o problema continue “pelo menos até o final do ano”, afetando também as indústrias que dependem dos insumos e elevando a pressão sobre os preços da cesta básica.

Conforme estimativas do mercado financeiro, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), no mês de abril, foi superior a 5,5% na Argentina. Em março, o registro oficial fechou em 6,7%. A inflação interanual (o acumulado dos últimos 12 meses) está na faixa dos 55%.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Guilherme Wojciechowski - H2FOZ

Guilherme Wojciechowski é repórter colaborador do H2FOZ. E-mail: [email protected] - Veja mais mais conteúdo do autor.