Fique ligado! Paraguai terá novo horário no domingo, 3

A intenção do horário de verão é aproveitar mais a luz do fim de tarde, pra reduzir o consumo de eletricidade. Foto Patrícia Iunovich

Começa a vigorar o horário de verão, quando os relógios são adiantados em uma hora.

O horário de verão no Paraguai, estabelecido desde 2014, começa a vigorar no domingo, 3. Começa, assim, a coincidência com o horário brasileiro.

O horário de verão vai vigorar até o terceiro domingo de março de 2022, quando os relógios voltam a atrasar em uma hora.

Embora no Paraguai, como no Brasil, há os que são contra e a favor do horário de verão, a estatal de eletricidade do país – Administración Nacional de Electricidade (Ande) diz que a medida é imortante para reduzir o consumo de energia nos horários de pico.

Ao final da tarde, no horário normal, o consumo residencial aumenta e se soma ao consumo comercial, o que exige maior transmissão e distribuição da energia da Ande. Com o horário de verão, aproveita-se mais a luz solar, já que também é atrasado o acender das luzes da iluminação pública.

RESTAURANTES DO BRASIL QUEREM

No Brasil, o horário de verão foi extinto em 2019. Uma das alegações é que o horário de pico no País já não ocorre mais no final do dia, tendo se deslocado para o período da tarde.

A BBC noticiou que associações de bares e restaurantes do Brasil voltaram a pedir o retorno do horário de verão, como forma de incentivar a economia e ajudar na crise hídrica vivida pelo país.

O presidente do Sindicato dos Bares e Restaurantes do Rio, Fernando Blower, disse que “essa uma hora a mais estimula as pessoas a saírem depois do trabalho, consumirem mais cedo, enfim”.

O setor ainda não se recuperou da crise provocada pela pandemia. Levantamento da Associação Nacional de Restaurantes mostra que 62% dos bares e restaurantes ainda não recuperaram o patamar de vendas de antes da pandemia e mais da metade deles se declaram endividados.

Em nota, o Ministério de Minas e Energia informou à BBC que a contribuição do horário de verão é limitada, devido às mudanças no hábito de consumo de energia da população.

Mas disse que já solicitou ao Operador Nacional do Sistema Elétrico que reexamine a questão “à luz da atual conjuntura da escassez hídrica, considerando os estudos já realizados”.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 1047 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ