Índios guaranis querem mais escolas, terra e merenda sem produtos industrializados

Lideranças se reuniram e elaboraram documentos para serem entregues ao governador Ratinho Junior e ao presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva

Apoie! Siga-nos no Google News

Lideranças avá-guaranis da Região Oeste reivindicam do governo estadual a construção de mais escolas nas comunidades para evitar que crianças de 4 anos precisem frequentar a rede municipal sem saber falar o português. O pedido consta em um documento elaborado no nos dias 26 e 27, que será entregue ao governador Ratinho Junior com outras demandas.

Leia também:
Guaranis do lado argentino escolhem Conselho de Caciques

As lideranças representam 24 comunidades indígenas com mais de cinco mil pessoas. Dessas, apenas três comunidades possuem terras demarcadas, porém em áreas pequenas que impossibilitam o plantio para sustentar todos.

A principal preocupação dos guaranis é no setor da educação. Eles pedem que as novas escolas sejam até improvisadas ou em sistema modular porque consideram uma violência as crianças frequentarem colégios da cidade falando apenas o guarani. Os indígenas também querem mudança na merenda porque o excesso de alimentos industrializados modifica o paladar das crianças e introduz grande quantidade de produtos químicos no organismo delas.

Ainda em termos de educação, as comunidades solicitam a formação de mais professores, indígenas e não indígenas, e a contratação de psicólogos com formação etnológica para auxiliar no atendimento de jovens nas escolas. Também reivindicam que seja implantado no colégio Tekoha Anetete, em Diamante D´Oeste, o ensino médio porque a evasão é grande em razão da inadaptabilidade dos estudantes nas escolas da cidade.

Terra

Os guaranis ainda solicitam ao governo estadual apoio para solucionar o impasse fundiário que se arrasta há anos. O pedido é para que o estado ceda áreas do antigo Iapar, que estão ocupadas há mais de uma década, e retire a ação judicial contra as comunidades.

No documento ainda consta apoio para produção de alimentos, por meio de linhas de crédito, e que o ICMS ecológico seja revertido para as comunidades e não apenas aos municípios. Eles pedem também mais moradias.

Lideranças reuniram-se no último final de semana. Foto/Divulgação guaranis

Governo federal

Ao presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, o principal pedido dos guaranis é em relação a reparações justas pelas perdas de terra causadas pela invasão de colonos e, tempos depois, em razão da formação do lago de Itaipu. No documento também é solicitada a oferta de crédito para lidar com a terra de acordo com a cultura indígena. Esse documento será entregue em Brasília na quarta-feira.

Os documentos foram elaborados após encontro de representantes das comunidades Tekoha Ocoy, Tekoha aty Mirim, Tekoha Yva renda, Tekoha V’ya Renda, Tekoha Curva Guarani, Tekoha Ara Porã, Tekoha Pyahu e Tekoha Itamarã. Essas áreas ficam em São Miguel do Iguaçu, Itaipulândia, Santa Helena e Diamante D´Oeste. A reunião foi realizada na reserva do Ocoy, em São Miguel do Iguaçu.

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.