Operação resgata 15 trabalhadores do Paraguai em regime similar à escravidão

Quatro eram menores de idade; agentes constataram violações trabalhistas, falta de equipamentos de proteção e alimentação precária.

Apoie! Siga-nos no Google News

Operação resgatou e liberou 15 trabalhadores do Paraguai que estavam submetidos a condições análogas à escravidão no Paraná, entre os quais quatro menores de idade. A ação foi nessa terça-feira, 23, após denúncia.

LEIA TAMBÉM: Caminhão de entrega furtado em Foz do Iguaçu: trabalhador sem um dia de paz

Denominada de Protetor, a operação foi desenvolvida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e contou com o apoio de agentes do Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron) e da Polícia Federal (PF).

No local, os servidores públicos comprovaram a situação de atividades similares ao trabalho escravo, definido pela legislação, por meio da análise de peritos do MPT. Também foram identificados na vistoria:



  • alojamentos em má situação;
  • violação de direitos relacionados a salário e registro;
  • falta de equipamentos de proteção individual (EPIs);
  • alimentação precária.

Os trabalhadores resgatados receberam o apoio da Prefeitura de Icaraíma, cidade da Região Noroeste, para o deslocamento todos a Umuarama. Nessa cidade, os trabalhadores foram recebidos em um abrigo.

Trabalho análogo à escravidão, também chamado de escravidão moderna, é crime. A lei pune com multa e prisão a violência causada à pessoa submetida a essa prática, caracterizada pelo trabalho forçado, jornadas exaustivas e outras imposições degradantes ao ser humano.

LEIA TAMBÉM