As temperaturas máximas continuam altas, em Foz. Mas as mínimas… quanta diferença!

O outono tem uma característica que os meteorologistas sempre ressaltam: a amplitude térmica é maior. Parece complicado, mas é bem simples de explicar e entender. A amplitude térmica é a diferença entre a menor temperatura do dia e a maior, e no outono é muito mais significativa que em outras estações.

O exemplo da previsão para esta quarta-feira, 31, em Foz: a mínima será de 15 graus e a máxima de 29 graus, quase o dobro. E isso vai se repetir ao longo dos próximos dias, pelo menos até domingo. Semana que vem é outra história.

O exemplo citado é do Simepar. O AccuWeather crava 14 de mínima e 28 de máxima para quarta-feira, exatamente o dobro na amplitude térmica; o Inmet, 16 e 30 graus, respectivamente; o CPTEC/Inpe, 14 e 27 graus; e o Climatempo, 13 e 27 graus.

Os números mudam um pouco, mas não a característica da previsão pros próximos dias. Só no final de semana, quando as máximas chegam – ou até passam, depende do serviço de meteorologia – dos 30 graus, a amplitude térmica fica diferente.

Pros 32 graus previstos pelo Simepar de máxima, no domingo, 4, há a mínima de 17 graus; pro AccuWeather, 30 de máxima e 18 de mínima; pro Climatempo, 31 e 19 graus; pro CPTEC/Inpe, 29 e 19 graus.

E a chuva? Nem sinal. Quer dizer, pra esta terça-feira, 30, pelo menos três serviços preveem chuva: o Inmet (chuvisco pela manhã), o Climatempo (sol com chuva de manhã) e o CPTEC/Inpe (muitas nuvens com chuva pela manhã). Simepar e AccuWeather mantêm tempo bom.

A característica do outono é exatamente esta que vivemos agora, de temperaturas amenas e redução das precipitações, principalmente no Sul, Centro-Oeste e Sudeste do Brasil.

O problema, para o Paraná, é que viemos de um 2020 muito seco, passamos por três meses em que a média das precipitações também ficou abaixo do normal para o trimestre e seguiremos por um outono um pouco menos úmido que o normal.

Aqui em Foz, a falta de chuvas não chega a ser preocupação para o abastecimento de água dos moradores. Mas há muitos paranaenses cada vez mais na iminência de racionamento forte, como os que residem na região metropolitana de Curitiba.

ESTAÇÃO DAS FRUTAS

Ah, enquanto a primavera é a estação das flores, o outono é a estação das frutas. A diminuição das temperaturas e das chuvas deixa as frutas no ponto exato da colheita.

Isso vale para abacate, carambola, caqui, goiaba, laranja, limão, mamão, maracujá, melão e mexerica, entre outras. Se encontrar preço alto no mercado para essas frutas, alerte o gerente ou o proprietário que ele preste atenção na estação em que estamos.

DIAS MAIS CURTOS

Na manhã que começa mais tarde, o sol “consome” a vegetação, na brincadeirinha com a câmera feita por Patrícia Iunovich

Outra coisa que vai se tornar mais perceptível daqui pra frente: os dias vão ficar cada vez mais curtos do que as noites. É resultado de um fenômeno astronômico: o movimento de translação e a inclinação do eixo terrestre em relação ao sol.

Algumas dessas informações foram extraídas do curso on line Prepara Enem, mas são interessantes mesmo pra quem já não precisa demonstrar conhecimento pra chegar ao ensino superior.

Afinal, mais do que saber sobre o outono, sentimos o outono, vivemos o outono.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.