Inverno no Paraná terá pouca chuva e nevoeiros frequentes

"Fog" do Iguaçu? Fenômenos como nevoeiros devem ser comuns durante o inverno. Imagem: Marcos Labanca
Siga a gente no

Boletim do Simepar prevê episódios de frio intenso, em especial, no mês de julho.

Órgão oficial de meteorologia no estado, o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar) prevê que o inverno terá poucas chuvas, mas nevoeiros frequentes e episódios de frio intenso, com geadas no Oeste e Sudoeste. A estação teve início nesta terça-feira (21), às 6h14, e segue até 22 de setembro.

Conforme o boletim, o inverno de 2022 será influenciado pelo fenômeno La Niña, que resfria as águas do Oceano Pacífico e afeta o ciclo dos ventos. “A expectativa é de ingresso frequente de massas de ar frio e seco de origem polar, associadas ao deslocamento de frentes frias pelo Sul do país”, avalia o meteorologista Reinaldo Kneib.

O volume de chuvas, conforme a projeção, deve ficar entre próximo e abaixo do normal para cada região do estado. A formação de nevoeiros será comum, bem como sequências de frio intenso por vários dias consecutivos. Especificamente para o Oeste, são esperadas geadas e alguns dias com temperaturas negativas, principalmente, em julho.

Já em relação aos “veranicos”, períodos em que o inverno ganha ares de verão, com tempo quente e seco, a probabilidade maior é de ocorrência a partir da segunda quinzena de agosto. A tabela abaixo, elaborada pelo Simepar, traz os valores médios históricos de chuva (faixa de variação) e temperaturas do ar (mínimas e máximas) para cada região do Paraná:

Gráfico: Simepar

Lavouras

Além do Simepar, o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná) divulgou suas projeções para o inverno na agricultura paranaense, com possibilidade de que a colheita do milho (segunda safra) tenha perda de produtividade devido à má distribuição de chuvas, geadas, baixa luminosidade e ataque de pragas.

O desenvolvimento dos cereais de inverno, como trigo, aveia e cevada, deve ocorrer de forma normal, podendo até ser favorecido pelas condições meteorológicas dos próximos meses. Entretanto, a produção de café, que já foi afetada por períodos de seca durante o verão, pode ficar abaixo da média nas principais regiões cafeeiras do estado.

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Guilherme Wojciechowski - H2FOZ

Guilherme Wojciechowski é repórter colaborador do H2FOZ. E-mail: [email protected] - Veja mais mais conteúdo do autor.

-->