O diálogo entre uma possível vítima e o golpista, "disfarçado" de filha.

Golpe une WhatsApp com o Pix. E não é difícil cair nele

No WhatsApp, a foto que identifica a pessoa “do outro lado” é um filho, uma filha. Como negar o pedido?

Pelo aplicativo WhatsApp vem a mensagem de uma pessoa muito conhecida.

  • Oi pai está muito ocupado?
  • Diga, filha.

Mas não era o telefone dela:

  • Que fone é este?
  • Vou ficar com este agora. O outro vou deixar somente para trabalho. Pode me fazer um favor pai?
  • Diga.
  • Preciso efetuar uma transferência agora, mas não estou conseguindo pelo meu aplicativo do banco. Vou te encaminhar os dados e você efetua para mim?
  • Manda.
  • Assim que efetuar me encaminha o comprovante ok pai.

Era um diálogo, teoricamente, de jornalista pra jornalista. Mas o “lado de lá” tinha muitos erros de pontuação. Falta de vírgulas, especialmente. E até de um pontinho de interrogação.

E outro errinho básico: a pessoa diz que deixara o celular pessoal para usar no trabalho… Ué?

Enfim, o pedido era para fazer um Pix no valor de de nada menos que R$ 3.450,00.

Vendo a foto de alguém a quem você jamais negaria um favor, é preciso estar muito atento pra não cair no golpe.

Nesse caso específico, o golpista se deu mal. Os dados do Pix que ele mandou, mais o número do telefone, estão no print.

Mas todo cuidado é pouco. Quando vier pedido pra fazer um Pix ou pra depositar na conta seja de quem for, ligue-se. Tente contato com quem diz ser a pessoa que faz o pedido.

Dar dinheiro pra vigarista dói no bolso e na alma. Ainda mais quando se suou pra ter algum no bolso.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 999 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ