Greve dos rodoviários em Foz continua. Ônibus circulam com frota reduzida

Quantidade mínima de ônibus em circulação foi fixada pelo Tribunal Regional do Trabalho - Foto: Marcos Labanca/Arquivo

Paralisação está no 14º dia; nova audiência na Justiça do Trabalho deve ocorrer com a participação do prefeito Chico Brasileiro.

A paralisação dos rodoviários de Foz do Iguaçu entrou no 14º dia nesta segunda-feira, 26. Sem acordo entre trabalhadores e empresários, os ônibus seguem circulando com frota reduzida, conforme quantidade mínima estabelecida pelo Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT).

Leia também:

População é minoria no conselho que trata do transporte coletivo em Foz. Quando ele sairá do papel?

Ônibus em Foz: Justiça determina 60% da frota em horários de pico

Por determinação do desembargador Célio Horst Waldraff, do TRT, como forma de assegurar o direito de greve da categoria e manter o mínimo de atendimento da população com o serviço, os ônibus circulam com a seguinte frota:

– 60% em cada linha e escala, das 5h às 9h e das 17h às 20h, o que equivale a cerca de 44 veículos; e

– 40% da frota circulante nos demais horários, o que corresponde a cerca de 30 ônibus.

Esse percentual de veículos está relacionado ao total de ônibus que estava em operação pelo Consórcio Sorriso antes da paralisação dos rodoviários, com 74 lotações. Isso porque as empresas vinham circulando com pouco mais da metade da frota, alegando perda de receita na pandemia, devido à redução do número de passageiros.

“Linhas como a Vila C, que têm ônibus, rodam dois e um fica parado após as 19h, e volta depois das 17h”, exemplificou o secretário de Comunicação do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários (Sitro-FI), Rodrigo Andrade de Souza. “Quando a linha tem um ônibus só, ele roda normal”, disse ao H2FOZ.

A categoria reivindica a assinatura do novo Acordo Coletivo de Trabalho, reposição salarial e volta do pagamento de auxílio-alimentação pelas empresas que operam o serviço público na cidade. Motoristas e cobradores cruzaram os braços no último dia 13. O Consórcio Sorriso, por sua vez, alega desequilíbrio econômico do contrato que mantém com a prefeitura.

Sem acordo

Rodoviários e representantes das empresas de ônibus participaram na sexta-feira, 23, de audiência de conciliação, que terminou sem acordo (assista). A negociação foi instituída e mediada pelo TRT da 9ª Região, a pedido do Ministério Público do Trabalho.

Devido a alegações econômicas suscitadas, o desembargador Célio Horst Waldraff suspendeu a audiência e decidiu que marcará uma nova redada de negociação nesta semana com a participação do prefeito Chico Brasileiro (PSD).

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Paulo Bogler - H2FOZ tem 1352 posts e contando. Ver todos os posts de Paulo Bogler - H2FOZ

error: O conteúdo protegido !!! Este conteúdo e de exclusividade do H2FOZ.