Moradores e setor de logística não querem Porto Seco de Foz do Iguaçu na Região Leste

Em audiência pública na Câmara, secretário de Planejamento afirmou que deliberação do Conselho das Cidades para descartar local proposto deve ser considerada

Apoie! Siga-nos no Google News

Moradores da Região Leste e representantes do setor de transporte não concordam com a instalação do novo Porto Seco de Foz do Iguaçu no local proposto, próximo às avenidas Felipe Wandscheer e Maria Bubiak. O assunto foi discutido nessa segunda, dia 10, durante audiência pública realizada na Câmara de Vereadores para debater a localização do entreposto aduaneiro a ser construído na cidade.

A audiência foi convocada pelo vereador Kalito Stoeckl (PSD) e proposta pelo vereador Adnan Al Sayed (PSD) a pedido de moradores da Região Leste, que é uma das três áreas da cidade citadas no edital lançado pela Receita Federal do Brasil (RFB) para instalação do novo porto seco. A outra fica em Três Lagoas, e uma terceira, próxima ao limite com Santa Terezinha de Itaipu. As propostas serão conhecidas no dia 3 de maio.

Veja matéria

Receita Federal publica edital do novo porto seco de Foz do Iguaçu – H2FOZ

Cerca de 200 moradores participaram da audiência, na qual estiveram presentes o delegado da RFB, Paulo Sérgio Bini; o secretário municipal de Planejamento, Leandro Costa; o presidente do Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários de Cargas de Foz do Iguaçu e Região (Sindfoz), Celso Callegario; arquitetos e presidentes de associações de bairros da Região Leste, Rosa Dias (AMAC), José du Arte (São Roque/Jardim Niterói/Vitória/Vila Floratta), Noel Dias Duarte (Dona Fátima, Dom Miguel) e Ageu Dias (Copacabana), entre outras autoridades.

Rosa Dias, presidente da Associação de Moradores e Amigos do Cognópolis (AMAC), disse ser favorável ao porto seco, no entanto é preciso responsabilidade na escolha do local para não comprometer a qualidade de vida dos moradores.

Somente o Cognópolis concentra oito condomínios, loteamentos e duas nascentes, dos rios Tamanduá e Tamanduazinho – fontes de 30% de água potável para Foz do Iguaçu. Na mesma região também está sendo construído o Bairro do Futuro, o novo hospital da Unimed, espaços para centro comercial, faculdades e um museu projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer chamado Megacentro Cultural Holoteca.

Em dezembro de 2015, uma audiência sobre a localização do porto seco havia sido realizada na Câmara, no entanto as diretrizes não foram consideradas pelo poder público, que voltou a incluir a Região Leste entre as possibilidades para instalação do entreposto. 

Celso Callegario, presidente do Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários de Cargas de Foz do Iguaçu e Região (Sindfoz), também apoia a ideia dos moradores que vivem no leste de Foz. “O porto seco não deve ser instalado neste local [leste]. Isso traria bastante problemas para a cidade e atraso no crescimento de uma região nobre e bela”, ressaltou. Ele ainda salientou que o setor de transporte é o segundo que mais gera empregos no município, depois do turismo, e hoje há legislação para minimizar a poluição causada pelos caminhões.

O delegado da RFB, Paulo Sérgio Bini, frisou a importância do entreposto para a cidade, que movimenta ao ano cerca de US$ 4,7 bilhões, dos quais US$ 3 bilhões somente na exportação. Foz do Iguaçu é responsável por 65% do comércio Brasil–Paraguai. “A gente espera uma resposta rápida. Não se pode parar, esperar e talvez até perder o momento. Onde especificamente vai ser, cabe à prefeitura.”

Representando o prefeito Chico Brasileiro (PSD), o secretário municipal de Planejamento, Leandro Costa, considera ter ocorrido uma omissão do município e moradores pelo fato de estarem discutindo somente agora o assunto. Segundo ele, Foz não tem um instituto de planejamento e pesquisa urbana, o que dificulta os trabalhos.

Em relação à localização do porto seco, o secretário mencionou que a deliberação do Conselho das Cidades (Concidade-Foz), em março, deve ser acatada, ou seja, a Área 3, que compreende a Região Leste, deve ser descartada. Na reunião também foi decidido que o porto seco tenha uma área verde no entorno.

Costa ainda falou que a prefeitura está pronta para analisar as propostas dos interessados no edital. Até dia 10 de abril, o município não havia recebido requerimento de interesse. O principal documento para avaliar os possíveis locais de construção do porto seco é o Estudo de Impacto de Vizinhança, que mostra as repercussões em áreas residenciais e no sistema viário. Esse estudo requer um tempo mínimo de um mês para ser feito.

Projeto da perimetral é questionado

O presidente do Sindfoz, Celso Callegario, aproveitou a audiência para lembrar que a Perimetral Leste, obra em andamento que vai ligar a Ponte da Integração Brasil–Paraguai à BR-277, já vai nascer congestionada. “Ela teria que contornar a cidade. Estamos preocupados com uma certa omissão do poder público municipal.”

Para Leandro Costa, a Perimetral Leste, lançada em 2014, será como uma Avenida Paraná daqui cinco ou dez anos. Ele disse que por parte da gestão atual não houve omissão, porque o Executivo conseguiu implantar dois novos viadutos no lugar de uma rotatória prevista na Felipe Wandscheer com a Avenida República Argentina. Outro problema da via é a não previsão para construção de marginais à perimetral.

LEIA TAMBÉM
4 Comentários
  1. Marcio Soares Diz

    Olá leitores do H2FOZ!

    A audiência publica do ultimo doa 10.04.23 trouxe a centelha que faltava à população de Foz. Como em todos pa municípios brasileiros a participação da população é pífia, por desinformação sobre os eventos deste tipo, onde se discutem e consideram planos e diretrizes iemportantissimas para todos os munícipes e seus futuros.
    Mas, diante da catástrofe alguns mais atentos e interessados no destino de sua cidade começam a se unir em torno de uma solução tecnica para a implantação do Novo Porto Seco de Foz, que não será no local residencial ate agora indicado como o “melhor”…
    Vamos nos unir em associações, clubes, ou mesmo individualmente como cidadão, pois sem participação na vida politica da cidade não poderemos reclamar dos problemas que se acumulam ao longo dos últimos 40 anos em Foz.
    Porto Seco em área urbana, NÃO!

  2. Anônimo Diz

    Eu também sou contra…

    O problema no Trânsito só irá mudar de lugar..

    Ainda mais próximo ao nosso Rio Tamanduá que já está tão Debilitado….

  3. Anônimo Diz

    Está perimetral foi tantas vezes modificada em seu trajeto,que me surge uma pergunta,qual dos nossos latifundiários está sendo beneficiado?As nascentes estão no caminho,para mais uma vez trazer benece para um determinado grupo.

  4. Alexandre Diz

    Não tem o mínimo cabimento fazer o Porto Seco fora das margens da BR 277 e em trecho essencialmente residencial.

Comentários estão fechados.