Vanilla: orquídea com aroma e sabor de baunilha. Aprenda a cuidar e degustar!

Vanilla, a orquídea com cheiro e sabor de baunilha Foto: Antonio Carlos Franco de Lima

Por Aida Franco Lima – OPINIÃO

Flor, rama, parreira e fava da orquídea Vanilla planifolia, da qual é possível extrair sabor e aroma de baunilha Fotos: Antonio Carlos Franco de Lima

‘Me dá’ um sorvete de orquídea?’ Sim, para quem entende de planta, o pedido tem cabimento. Afinal, é de uma espécie de orquídea que se extrai a essência natural de baunilha. Trata-se da Vanilla planifolia. Em Cianorte, Paraná, o biólogo e orquidófilo, Antonio Carlos F. de Lima, é uma das pessoas que a cultiva. Além de embelezar,  proporcionar sombra e alimentar as abelhas, entre outros, ela é útil na cozinha.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

‘Sabor artificial de baunilha’, dizem as embalagens dos produtos, em virtude da necessidade da produção em escala industrial. Mas quem deseja usufruir da essência natural, não tem segredo. A semente, em formato de vagem, após ser desidratada pode ser curtida com vodka ou outras bebidas. Ou cortada em pedaços e misturada diretamente no açúcar ou demais produtos.

Após a desidratação, as favas podem ser cortadas e misturadas ao açúcar, trigo ou condimentos, para emprestar seu sabor e essência
Foto: Antonio Carlos Franco de Lima

De acordo com Antonio, a orquídea Vanilla já se destaca das demais por ser uma espécie terrestre. Ela precisa ser plantada em um vaso adequado ou diretamente no solo e ser conduzida, explica o biólogo sobre essa trepadeira. Igual uma parreira de maracujá, pode ser utilizada para enfeitar e proporcionar sombra a diversos ambientes. Apesar de que ela não resiste à exposição direta ao sol, pode ser apoiada inclusive em pergolados.

Detalhe do interior de uma baga da orquídea e as milhares de sementes
Foto: Antonio Carlos Franco de Lima

Prontas para o uso, as favas desidratadas, foram cortadas e misturadas no açúcar
Foto: Antonio Carlos Franco de Lima

Típica da região Norte do Brasil, Antonio conta que obteve a muda com uma senhora de Cianorte, há alguns anos, à base de troca. ‘Depois de um tempo ela me procurou para conseguir outra muda justamente porque a matriz não tinha sido plantada adequadamente’, lembra. As ramas podem atingir metragens diversas.

‘Antigamente o método de obter a baunilha era diretamente da planta que era disposta em parreirais’, explica o biólogo. Sua polinização, além daquela natural promovida pelos insetos, inclusive era facilitada em virtude de as parreiras serem relativamente baixas e de fácil acesso para o manuseio humano. O biólogo conta que na verdade o que guarda a essência da baunilha é sua semente, que a flor em si não exala o aroma.

A flor tem tonalidade verde clara e é muito sensível. Porém, como uma outra característica específica, a produção de várias flores em uma única haste, tem-se a impressão de que ela é duradoura. Vale a pena conhecer e provar a Vanilla.

Muda da Vanilla pode atingir alguns metros. Na imagem, a comparação com um rastelo de jardinagem
Foto: Antonio Carlos Franco de Lima

SERVIÇO: Antonio salienta que se alguém desejar trocar experiências sobre a Vanilla ou demais orquídeas, basta contatá-lo pelo Facebook

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Aida Franco de Lima

Aida Franco de Lima é jornalista, professora e escritora. Dra. em Comunicação e Semiótica, especialista em Meio Ambiente. E-mail: [email protected] Veja mais conteúdo da autora.