Com corte, Unila fica sem dinheiro para pagar bolsa a 1.500 alunos e mais de 70 terceirizados

Universidade sediada em Foz do Iguaçu opera no negativo e não pode fazer qualquer pagamento por causa do bloqueio de verba pelo MEC.

Apoie! Siga-nos no Google News

A Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila) opera no negativo, sem poder fazer qualquer pagamento em dezembro, devido ao novo corte orçamentário do governo federal, instituído em 28 de novembro. No ano, a instituição afirma que perdeu R$ 6 milhões de recursos já previstos.

LEIA TAMBÉM:
Cortes do MEC tiram R$ 6 milhões da Unila no ano e afetam entrega de salas de aula

Diagnóstico preocupante. Professor expõe desafios do curso de Medicina da Unila

O bloqueio empreendido pelo Ministério da Educação (MEC) afetou instituições de ensino superior de todo o país. As universidades não receberão os repasses financeiros para o pagamento de compromissos básicos, como fornecedores, bolsistas ou quaisquer outras contas.

Na Unila, se não ocorrer a recomposição do orçamento, serão afetados diretamente mais de 1.500 alunos, que não receberão suas bolsas, e 78 trabalhadores terceirizados, relata a nota da reitoria. São profissionais de áreas essenciais, como vigilância e manutenção.

“O valor das contas a pagar previsto para dezembro era de R$ 2.541.667,60, compondo este valor os R$ 831.200,00 de assistência estudantil e os R$ 299.125,00 das demais bolsas com recursos do tesouro nacional”, frisa a universidade.

Entre os principais serviços afetados estão:

  • assistência estudantil: benefícios de alimentação, moradia, transporte, entre outros;
  • contratos de serviços terceirizados: transporte, combustível, manutenção, segurança, entre outros; e
  • insumos para atividades de ensino, pesquisa e extensão.

Diz a nota que a Unila atua junto com a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) buscando a reversão do corte. “Esta é uma luta nacional, para a recomposição dos orçamentos das universidades e para a valorização do ensino superior e da ciência”, lê-se do documento.

O MEC noticiou que solicitou à área econômica a ampliação do limite dos valores de empenho das instituições de ensino, mas não foi atendido. “O MEC mantém a comunicação aberta com todos e mantém as tratativas junto ao Ministério da Economia e à Casa Civil para avaliar alternativas e buscar soluções para enfrentar a situação”, informa a nota do órgão.

No fim de novembro, o Ministério da Educação tinha informado que estava buscando alternativas para reverter o bloqueio. O secretário do Tesouro Nacional, Paulo Valle, disse, no mesmo dia, que o contingenciamento seria reavaliado ao longo de dezembro. O governo chegou a anunciar o desbloqueio dos recursos, mas voltou atrás no mesmo dia.

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.