Com abstenções, brancos e nulos, votos ‘perdidos’ chegam a 51,9 mil em Foz

Prefeito Chico Brasileiro obteve a reeleição com 54,2 mil votos; 51,5 mil foram para o segundo colocado, Paulo Mac Donald.

A eleição desse domingo, 15, em Foz do Iguaçu, em meio à pandemia de covid-19, registrou alta nas abstenções. O número de eleitores que não compareceram às urnas foi de 42.279 pessoas, o que representa 23% dos 183 mil iguaçuenses aptos a votar no pleito municipal para prefeito e vereadores.

Leia também:

Abstenções, votos nulos e brancos em Foz: os votos “perdidos” que podem decidir uma eleição

Em 2012, foram 35.679 (19%) ausências de eleitores. Na votação de quatro anos atrás, em 2016, 14.891 (8,9%) pessoas deixaram de votar; na eleição suplementar de 2017, 26.224 (15,7%) se abstiveram de exercer o direito ao voto.

Para a escolha de prefeito, também foram 4.151 (2,9%) votos em branco e 5.499 (3,9%) nulos. Esse resultado, somado às abstenções, dá a quantidade de 51.929 votos “perdidos” nas eleições de 2020, que não foram direcionados a nenhum candidato em Foz do Iguaçu.

Para efeito de comparação, essa quantidade de votos é pouco menor do que o total de escrutínios recebidos pelo prefeito Chico Brasileiro (PSD), que alcançou a reeleição. Ele recebeu 54.252 (41,29%) dos 131.377 votos válidos, de um total de 183 mil eleitores iguaçuenses.

Os 51,9 mil votos “perdidos” no pleito deste ano superam a votação de 51.595 (39% dos votos válidos) ao segundo colocado na eleição para prefeito, Paulo Mac Donald Ghisi (Podemos). Também ficam bem acima dos 25.530 votos creditados aos demais sete concorrentes à Prefeitura de Foz do Iguaçu juntos.

Em uma eleição majoritária, o vencedor é aquele que alcança a maior votação, com base nos votos válidos. Ao se considerar o movimento e as expressões do conjunto de eleitores, entretanto, é possível retirar das urnas recados que podem ser didáticos e até vitais para o bom exercício do mandato conferido pelo povo.

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.