Pra fazer compras, ok. Mas, para festas, Ciudad del Este já não será receptiva.

Acabou a alegria dos brasileiros que iam festar em Ciudad del Este, nos finais de semana

Veja o recado:

“Vemos que muitos cidadãos brasileiros cruzam a fronteira, nos fins de semana, se aglomeram, se hospedam em hotéis para participar de festas clandestinas. Então, comunicamos aos cidadãos que os controles serão muito mais estritos.”

O aviso é do médico Hugo Kunzle, diretor da Décima Região Sanitária do Paraguai, que abrange todos os municípios de Alto Paraná, incluindo Ciudad del Este, conforme matéria do jornal La Clave.

Na semana passada, circularam vídeos e fotos de uma festança clandestina em Ciudad del Este, e a maioria dos participantes eram brasileiros – iguaçuenses e turistas.

Por decreto presidencial, no Paraguai é proibida a circulação de pessoas de meia-noite às 5h. O problema é que muita gente não obedece. E a fiscalização – um problema que está mais bem resolvido por aqui – estava relaxada.

A decisão de aumentar os controles saiu na quarta-feira, 3, em reunião de representantes do governo de Alto Paraná, prefeitura de Ciudad del Este, Polícia Nacional, Saúde Pública e Ministério do Trabalho. O setor privado estava representado pelo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Ciudad del Este – Codeleste.

A fiscalização dos abusos ficará a cargo de equipes da Polícia Nacional, Ministério Público e Ministério da Saúde, que irão impedir que as pessoas transitem depois do horário estabelecido. Vão, também, combater as festas clandestinas e as reuniões familiares que provoquem aglomeração.

“Com todo o peso da lei, se buscará sancionar aquelas pessoas que não cumpram o decreto presidencial neste momento”, alertou ainda Hugo Kunzle. O horário estabelecido em decreto poderá ser alterado durante a semana que vem, ampliando a restrição de circulação, adiantou o médico.

Kunzle é favorável a que a circulação de pessoas seja proibida já a partir das 20h, como acontece em Foz do Iguaçu.

MAIS RESTRIÇÕES

O governador de Alto Paraná, Roberto González Vaesken, em vídeo nas redes sociais, citou as medidas restritivas adotadas em Foz do Iguaçu, desde 27 de fevereiro, com horários de circulação e fechamento de atividades não essenciais, e disse que “aqui (em Ciudad del Este) vamos tratar de fazer o mesmo, pelo menos por uma semana”.

O diretor da Décima Região Sanitária lembrou aos participantes da reunião que o departamento de Alto Paraná já não conta com leitos de terapia intensiva disponíveis, devido ao aumento de casos graves de covid-19.

Em todo o departamento, há 30 leitos de UTI, dos quais 29 estão ocupados e um deles está em manutenção. Há ainda 80 leitos comuns, dos quais 55 estão em uso. “Estamos vendo a situação em Assunção e departamento Central para ver a disponibilidade (de leitos)”, disse Kunzle.

Para ele, a solução não passa pela ampliação de leitos de UTI. “Recordemos que Foz do Iguaçu aumentou seus leitos de UTI para 120 e já estão todos ocupados neste momento. Então, o que se planeja novamente é o chamado à consciência do cidadão para respeitar o protocolo vigente”.

Linda Taigen, presidente do Codeleste, é a favor de mais controles. “Os números não mentem. Os médicos fazem o humanamente possível para atender a todos. E as instituições fiscalizadoras devem fazer sua parte”, afirmou.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 908 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ