Cientistas argentinos descobrem nova espécie de morcego na fronteira

Colônia estudada vive em uma reserva natural com cavernas nas proximidades do Rio Paraná, no município de San Ignacio.

Apoie! Siga-nos no Google News

Pesquisadores da Argentina divulgaram, nessa semana, a descoberta de uma nova espécie de morcego na província fronteiriça de Misiones, no município de San Ignacio, em uma reserva natural com cavernas nas proximidades do Rio Paraná.

Leia também:
Cientistas descobrem quatro novas espécies de aranhas na fronteira
Pesquisadores descrevem nova espécie de peixe na região

Batizada de Nyctinomops mbopicuare, com o termo mbopicuare, em guarani, significando “morcego da caverna”, a espécie foi confirmada após estudos em 12 animais apanhados na Reserva Osununú, administrada pela fundação Temaikèn.

Os primeiros indícios de que a população local de morcegos tinha diferenciação em relação aos parentes mais próximos foram apontados cerca de dez anos atrás, pelo biólogo Andrés Palmerio, que não pôde fazer um estudo à época.



A atual pesquisa teve início em 2019, com o pesquisador Rubén Barquez, do Conselho Nacional de Investigações Científicas e Técnicas (Conicet), atuando em parceria com o Instituto de Investigações da Biodiversidade Argentina (PIDBA) e com o Programa de Conservação dos Morcegos da Argentina (PCMA).

O grupo de trabalho teve a participação de Ivana Tomasco, Tatiana Sánchez, Lourdes Boero e Mónica Díaz, do PIDBA; e de Alejandro Rodríguez, integrante da Diretoria de Conservação, Educação e Investigação da fundação Temaikèn.

Os animais são parentes da espécie Nyctinomops laticaudatus, mas possuem diferenciações como orelhas maiores, lábios enrugados, cor avermelhada forte e formato da cauda, que é mais comprida que a membrana do entorno.

Arte: Gentileza/Instituto Misionero de Biodiversidad
Arte: Gentileza/Instituto Misionero de Biodiversidad

Outros aspectos da espécie, como seus ciclos biológicos e padrões de alimentação e distribuição, ainda serão estudados pelos pesquisadores.

O local da descoberta fica a 240 quilômetros da fronteira entre Foz do Iguaçu e Puerto Iguazú. Inserida no bioma continental da Mata Atlântica, a província de Misiones possui a maior biodiversidade da Argentina.

LEIA TAMBÉM