Repressão a protestos contra governo paraguaio deixa pelo menos 20 feridos

"Fuera, Marito", gritavam os milhares de manifestantes que se concentraram próximo ao Congresso Nacional. Foto ABC Color

Convocados pelas redes sociais, milhares de paraguaios foram às ruas nesta sexta-feira à noite, em Assunção, para protestar contra o governo. O protesto se concentrou nas imediações do Congresso Nacional, no microcentro da capital, com gritos de “fuera, Marito” (presidente Mario Abdo Benítez). Quase todos os presentes usavam máscaras de proteção, informou o ABC Color.

A manifestação começou pacífica, mas alguns dos participantes lançaram objetos contra o forte policiamento presente no local, o que provocou um revide de tiros com balas de borracha, gás lacrimogênio e jatos de água de um caminhão-hidrante.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

Segundo o ABC Color, a provocação contra a polícia foi feita por um pequeno grupo, aparentemente de infiltrados no protesto, que investiram contra a barreira policial. Essas pessoas, duas ou três segundo o jornal, estavam encapuzadas e chamavam os jovens a avançar contra o Congresso, mas não tiveram respaldo.

Os agentes antimotim “responderam com força desproporcional”, diz o jornal, já que havia até crianças na multidão, que foi dispersa ao som de choros de dor. A polícia continuou agindo, lançando jatos d´água em qualquer pessoa.

Posteriormente, mais infiltrados (sempre de acordo com o jornal) protagonizaram atos de destruição, roubos e saques de veículos e lojas.

Indignados com a reação policial, manifestantes incendiaram latas de lixo, fizeram barricadas com fogo e atacaram numerosos edifícios estatais e articulares.

Estima-se que pelo menos 20 pessoas ficaram feridas. Um homem foi apunhalado no coração e já chegou sem vida ao hospital, mas, segundo o Ministério do Interior, o caso não teve relação com as manifestações, como noticia o jornal La Nación.

Os enfrentamentos entre a polícia e manifestantes prosseguiram durante várias horas no centro de Assunção, informa o jornal Última Hora.

Em área próxima ao edifício do Ministério da Fazenda, manifestantes puseram fogo. Foto Última Hora

LENÇOS BRANCOS

A certa altura, os policiais mostraram lenços brancos aos manifestantes, para pedir paz e que se retirassem. Segundo o ministro do Interior, Arnaldo Giuzzio, a intenção foi apaziguar os ânimos, para evitar mais disparos desnecessários, que alarmam a população, informa o jornal La Nación.

Os participantes do protesto viram a atitude da polícia como um recuo e voltaram até a área do Congresso, onde começaram os primeiros confrontos com a polícia.

O jornal ABC Color diz que houve, na verdade, um recuo da polícia, porque os agentes ficaram sem balas de borracha e estavam em menor número ante um grupo de encapuzados e vândalos.

Os protestos contra o governo são para pedir a renúncia do presidente Mario Abdo Benítez. A principal reclamação é a corrupção no governo, depois de dias de tensão provocada pela falta de medicamentos e insumos nos hospitais públicos, para tratar pacientes com covid-19, explicou o jornal ABC Color.

RENÚNCIA DO MINISTRO

Na sexta-feira, 5, um dos principais alvos de protestos, o então ministro de Saúde Pública, Julio Mazzoleni, renunciou ao cargo, mas essa renúncia não foi suficiente para evitar que milhares de paraguaios fossem às ruas. E as manifestações devem continuar já na manhã deste sábado.

Aidé Vera, da Comissão Escrache de Cidadãos Autoconvocados, informou à rádio ABC Cardinal que um grupo de manifestantes permaneceu “em vigília” na área onde ocorreram os distúrbios.

Entre os manifestantes, estava o que no Paraguai é chamado de “pessoal de branco” (profissionais da saúde) e também foram identificados integrantes da Associação de Bares do Paraguai, que estavam sob ameaça de fechamento, por parte do governo.

Antes do confronto com a polícia, a manifestação foi tranquila. Os participantes gritaram “Fora todos os corruptos” e portavam cartazes onde se lia “Unidos contra a corrupção” e “Fora, Marito e sua quadrilha”. A maioria eram jovens, noticia o jornal Última Hora, vestidos com a camisa da Seleção Paraguaia de Futebol.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.