Cargas com 49,5 toneladas de uva-passa imprópria para consumo são apreendidas em Foz

Produto estava contaminado por ocratoxina A e seria levado para São Paulo e Curitiba

Apoie! Siga-nos no Google News

Um total de 49,5 toneladas de uva-passa imprópria para o consumo foi apreendido neste ano em Foz do Iguaçu pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). O produto estava contaminado por ocratoxina A, substância produzida por alguns tipos de fungos.

Bastante consumidas em festas de final do ano, as uvas vieram da Argentina e seriam levadas para São Paulo (SP) e Curitiba. Um outro montante nas mesmas condições também foi interceptado pelos fiscais em São Borja (RS).

De acordo com o MAPA, as uvas-passas apreendidas em Foz do Iguaçu e São Borja seriam usadas na fabricação de panetones e fracionadas para serem vendidas ao consumidor final.

A carga foi retida porque apresentava quatro vezes o limite máximo permitido para a ocratoxina. “Ao exceder o limite permitido de micotoxina, o produto torna-se tóxico, sendo prejudicial à saúde”, explica o coordenador de Fiscalização da Qualidade Vegetal, Tiago Dokonal.

Em condições ambientais adequadas, a ocratoxina pode estar presente em produtos alimentares como cereais, frutos secos, café, cacau e uvas, bem como em processados como vinho, cerveja ou sumo de frutas.

Nos casos de apreensão desse tipo, o país de origem do produto é notificado e a carga é devolvida em cerca de 30 dias. A entrada de frutas secas, amêndoas, nozes e castanhas pelas fronteiras é controlada pelas equipes da Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), e no mercado interno o controle é do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal.

Redução

Responsável pelo Vigiagro em Foz do Iguaçu, Adinan Galina diz que a entrada de uva-passa no Brasil com ocratoxina acima do permitido pela legislação vem diminuindo em razão do controle de qualidade que o MAPA tem feito nas fronteiras. Em 2021 foram interceptadas 74,2 toneladas do produto em Foz do Iguaçu, contra as 49,5 toneladas retidas neste ano.

A maioria das uvas é produzida na Argentina, porém o Brasil também recebe uma pequena parte do Chile. A maior parte do produto tem como destino os estados de São Paulo e Santa Catarina, além da região metropolitana de Curitiba.

Com informações da assessoria

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.