Parque das Aves ganha bebê urutau

Filhote nasceu em 13 de janeiro e já ganhou peso. Equipe de neonatologia auxiliou ave a sair do ovo.

Apoie! Siga-nos no Google News

O Parque das Aves ganhou um bebê. Um urutau (Nyctibius griseus) nasceu em janeiro e está sob os cuidados da equipe de neonatologia.

A avezinha é o segundo filhote de urutau a nascer no parque, espécie que dificilmente é mantida sob cuidados humanos.

“Comemoramos com muita ênfase este nascimento principalmente porque o filhote segue crescendo de maneira saudável. Essa conquista só é possível graças a uma equipe competente e engajada”, comentou Paloma Bosso, diretora-técnica do Parque das Aves.

A equipe do parque percebeu a postura do urutau em dezembro do ano passado, e na sequência o ovo foi incubado artificialmente. No dia esperado para a eclosão, a equipe fazia monitoramento dos batimentos cardíacos do filhote e notou que ele não conseguiu nascer sozinho.

Por isso, foi feito o nascimento assistido auxiliando o filhote a romper a casca do ovo. O trabalho teve acompanhamento da médica-veterinária Ligia Rigoleto.

Postura

O ovo foi encontrado dia 10 de dezembro pelo tratador de animais Mário. Como os pais do filhote eram os mesmos de outra avezinha que nasceu em 5 de outubro de 2023 e acabou não sobrevivendo, provavelmente pela inexperiência dos pais, a equipe do parque decidiu fazer a incubação artificialmente.

Na avalição de Bianca Fernandes, supervisora da Área de Neonatologia do Parque das Aves, a assistência integral prestada por biólogos e veterinários foi acertada. Quando nasceu, dia 13 de janeiro, o urutau tinha 14,45 gramas. No dia 31 de janeiro já estava com 47 gramas, o que mostra um crescimento sadio.

Nascimento Urutau
Nascimento foi acompanhado. Foto: Divulgação Parque das Aves

Urutau

Considerado caçador noturno, o urutau voa com a boca aberta para capturar insetos. Quando é resgatada, geralmente vítima de maus-tratos, a ave tende a apresentar dificuldades para alimentar-se, fato que compromete a qualidade de vida do animal em ambientes não naturais, explicou Paloma.

O Parque das Aves possuiu hoje cinco urutaus e vem aprimorando os cuidados para cuidar desse tipo de animal. Todos eles foram trazidos a partir de resgates feitos por órgãos ambientais.   

O curioso é que o urutau, conforme Paloma, tem um comportamento natural de descanso. Por isso, fica imóvel por muitas horas durante o dia, fato que leva muitas pessoas a pensarem que estão feridos ou doentes. Assim, o animal acaba resgatado sem necessidade.

Caso a ave seja encontrada repousando, o ideal é observá-la a distância, deixando-a descansar, frisou a bióloga. Ainda segundo ela, se a ave realmente estiver ferida, recomenda-se não tocá-la e acionar um órgão responsável pelo resgate de fauna da região. Essa conduta é necessária para salvar a vida do animal.

Nascimento urutau Parque das Aves
Esse foi o segundo urutau que nasceu no Parque das Aves. Foto: Divulgação Parque das Aves

O urutaus são geralmente relacionados ao mau agouro, porque são pouco conhecidos das pessoas e por terem hábitos noturnos e características físicas que os camufla nos troncos de árvores.

As aves também são constantemente vítimas de agressões por terem  vocalização noturna. Por isso costumam chegar feridas ao Parque das Aves, muitas vezes com fraturas em asas e lesões variadas no corpo.

(Com informações da assessoria de imprensa)

LEIA TAMBÉM
1 comentário
  1. Valmyr Diz

    Parabéns a toda equipe! Lamentavelmmente, essa ave, como tantos outros animais, é vítima do sadismo, ignorância e maldade de alguns (a maioria infelizmente) homo-sapiens. Congratulações ao esforço desses profissionais.

Comentários estão fechados.