Menina vai bagunçar primavera. Entenda o que vai fazer La Niña. E as imagens do último dia de inverno

H2FOZ – Cláudio Dalla Benetta

A estação das flores, das chuvas que refrescam, da transição entre o frio seco do inverno e o calorão úmido do verão chega nesta terça-feira, exatamente às 10h31.

Mas a primavera, este ano, traz consigo uma menina travessa, que gosta de fazer bagunça no clima.

La Niña é um fenômeno climático de esfriamento das águas do Oceano Pacífico. Os ventos alísios, que nascem ali no Pacífico, ganham maior intensidade, alterando a formação de nuvens e deslocando, portanto, as chuvas de uma para outra região do planeta.

“Meteorologês” à parte, isso se traduz em mudanças climáticas, com efeitos benéficos para algumas regiões e ruins para outras.

Azar nosso, aqui no Sul, principalmente pros paranaenses e catarinenses, que enfrentam períodos de seca desde a última primavera.

Os meteorologistas Josélia Pegorim e Filipi Pungirum (eita!, identificamos pelo menos dois dos “nossos meteorologistas), do Climatempo, fizeram uma análise de como será primavera no Sul.

E vem a má notícia: “chuvas abaixo da média”. As frentes frias, que trazem chuvas, vão avançar de forma mais rápida, sem se deter o suficiente. Portanto, às vezes não vão deixar nem rastro de chuva.

Bem ao contrário do que vai acontecer em outras regiões do País. Norte, Nordeste e Centro-Oeste terão chuvas acima da média; e o Sudeste, temperaturas abaixo da média.

Mas não será tão abrupta a volta da secura. Outubro ainda nos reserva uns bons dias de chuva, segundo os meteorologistas. Mas novembro e dezembro voltam ao “normal” (já se tornou normal tanto tempo seco).

Falta de água e luz mais cara

“Situação preocupante”, diz Filipe Pungirum. A crise hídrica, em especial nas cidades já ameaçadas, como as da região metropolitana de Curitiba, vai se agravar. E vai haver reflexos – marque isso! – nas contas de luz, que agora estão na bandeira verde, quando não há cobrança de acréscimos.

Mesmo com frentes frias mais velozes, não estaremos livres de temporais, nesta época. “Os ingredientes pra formação de tempestades estarão presentes”, diz Filipe.

Isto é, chega a frente fria e encontra uma massa de ar quente. O contraste térmico se transforma em temporais, que sempre podem trazer problemas.

Quanto a dias frios, outubro também poderá ter temperaturas baixas, não exageradamente baixas, mas extemporâneas.

Cores da chuva e das temperaturas

Nos mapas abaixo, a Região Sul com cores que mostram duas situações, a chuva e as temperaturas.

No mapa à esquerda, os tons de azul representam chuva acima da média normal; a cor laranja, chuva abaixo da média. Vê-se, portanto, que na maior parte do Paraná choverá acima da média em outubro.

No mapa à direita, os tons de azul representam temperaturas abaixo da média normal; os tons mais para o laranja significam as temperaturas acima da média normal. Num pedacinho ali do Paraná vê-se o tal tom alaranjado. Adivinhe que cidade está naquele pontinho? Óbvio, Foz do Iguaçu.

Previsão pra semana

Isso tudo que foi dito refere-se ao Sul em geral. A gente sabe que Foz é um mundo meteorológico à parte. Frio, por aqui, até acontece, de manhã cedo. Mas ao longo do dia a temperatura sobe. E pode subir bastante, ao longo da semana.

Até sexta-feira, 25, o Simepar,por exemplo, prevê mínimas de 14 a 15 graus. Mas (brrr!) pro primeiro dia de primavera, nesta terça, a mínima pode cair pra 8 graus. Ao longo do dia, sobe pra 25.

O Climatempo, no entanto, prevê mínima de 14 graus, pra terça. E a mínima vai pra 21, na sexta. As máximas variam de 27 a 35 graus (na sexta).

O CPTEC/Inpe também prevê friozinho pra esta terça, com mínima de 12 graus e máxima de 26. Nos sdias seguintes, mínimas vão subindo até chegar a 20 graus, na sexta. E as máximas, vão de 27 a 34 graus (sexta).

Este serviço mantém a previsão de chuva pra esta terça. É o único, mas tomara que acerte!

O AccuWeather, por sua vez, prevê mínima de 16 graus, na terça, que vai subindo até chegar  a 22 graus, na sexta. E as máximas vão de 26 a 33 graus.

Este serviço mantém a previsão de chuva pra esta terça. É o único, mas tomara que acerte!

La Niña por satélite

A Nasa fez esta foto que mostra os efeitos do La Niña. As temperaturas da superfície do mar no Pacífico tropical oriental estão abaixo da média e as temperaturas no Pacífico tropical ocidental estão acima da média. Esse padrão é evidente nesta imagem de anomalia de temperatura de novembro de 2007. Esta imagem mostra a temperatura do milímetro superior da superfície do oceano – a temperatura da “pele” – em novembro de 2007, em comparação com a média de longo prazo.

Uma forte faixa de água azul (fria) aparece ao longo do Equador, particularmente forte perto da América do Sul. Condições de laranja a vermelho (quente) aparecem ao norte e ao sul dessa forte faixa azul.

Não entendeu? Nem nós. Mas é La Niña em ação, alterando o clima em todas essas regiões.

A foto da Nasa foi publicada na Wikipedia, no artigo sobre La Niña. O texto que explica a ilustração está em inglês, devidamente traduzido pelo Google. E parece que traduziu certinho.

Agora, as imagens desta segunda-feira, 21, último dia do inverno de 2020. As fotos são de Patrícia Iunovich, na Vila C e nos arrabaldes de Foz:

 

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.