Diretor do Municipal fica no cargo, mas terá de fazer intensivão de gestão

Direção do Hospital Municipal terá 90 dias para implementar melhorias - Foto: Carlos Sossa/H2FOZ

Promotor deu 90 dias para melhorias na administração do hospital, o que inclui a “transparência irrestrita” dos gastos com dinheiro público.

O promotor Luis Marcelo Mafra suspendeu por 90 dias a recomendação administrativa que requeria à prefeitura a intervenção na Fundação Municipal de Saúde (FMS) e o afastamento de seu presidente, Amon Mendes Franco de Souza. A entidade é responsável por administrar o Hospital Municipal Padre Germano Lauck com recursos públicos.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

LEIA TAMBÉM:
Crise na saúde: profissionais do Hospital Municipal seguem em estado de greve
Crise no hospital: prefeitura diz que Chico Brasileiro não indica diretor do Municipal
Trabalhadores da saúde aprovam greve no Hospital Municipal

Em três meses, a fundação terá de reorganizar o plano orçamentário do hospital, melhorar as condições de atendimento à população e adotar procedimentos para a transparência dos gastos. A decisão ocorreu após reunião nessa terça-feira, 22, da promotoria com representantes da FMS, Conselho Municipal da Saúde, 9ª Regional da Saúde e Sindicato da Saúde.

A Secretaria Municipal de Saúde não enviou representantes à reunião. Na semana passada, o prefeito Chico Brasileiro, por meio da assessoria, afirmou que não indica dirigentes da Fundação Municipal de Saúde, ainda que essa designação seja feita pelo Conselho Curador da instituição, que é presidido pela secretária Maria Rosa Jeronymo.

Ao H2FOZ, o promotor Luis Marcelo Mafra afirmou que os problemas enfrentados pelo Hospital Municipal, os quais resultaram no pedido intervenção na semana passada, são “eminentemente de gestão”, frisou. Segundo ele, inclui o gerencialmente do hospital e da saúde pública como um todo em Foz do Iguaçu.

O integrante do Ministério Público do Paraná (MPPR) esclareceu que a Fundação Municipal de Saúde deverá adequar o orçamento do Municipal. “Terá de negociar um acréscimo do repasse com o município de R$ 1,5 a R$ 2 milhões por mês”, disse Mafra. Isso porque hoje a prefeitura destina R$ 10 milhões, ante R$ 11,5 milhões a R$ 12 milhões necessários mensalmente.

Esse valor de custeio do Hospital Municipal, conforme reportado por Amon Mendes Franco de Souza à promotoria, teria sido apurado por consultoria a cargo do Hospital Israelita Albert Einstein. “Competirá à Fundação Municipal de Saúde gestionar perante o município, responsável pela saúde plena, os ajustes do Plano Operativo Anual em vigor”, lê-se da nota pública do MPPR.

Em 90 dias, a gestão da saúde deverá viabilizar:

  1. redimensionamento dos custos às receitas;
  2. incremento de ações que maximizem a rotatividade dos leitos hospitalares;
  3. foco assistencial hospitalar na média complexidade;
  4. abstenção da criação de novos serviços sem a prévia fonte de custeio; e
  5. transparência irrestrita de informações perante os financiadores, os órgãos de controle externo e os sindicatos de colaboradores.

Crise na saúde de Foz

Na semana passada, funcionários do Hospital Municipal chegaram a aprovar greve em reivindicação à manutenção de direitos, como o pagamento de hora extra, e melhores condições de trabalho. Ao programa Marco Zero, do H2FOZ e Rádio Clube FM, o presidente do Sindicato da Saúde, Paulo Sérgio Ferreira, informou que o hospital pode converter-se em uma “nova Santa Casa”.

“A população precisa entender que se não cobrar os vereadores, se não cobrar o prefeito, poderemos ter uma nova Santa Casa”, avaliou Ferreira. A referência é ao fechamento da Santa Casa, após histórico de problemas de gestão, hospital que atendia pacientes de Foz do Iguaçu e região pelo Sistema Único de Saúde.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.