Como combater o aumento de feminicídios em Foz do Iguaçu?

Iraci Pereira Conceição, presidente do CMDM, esteve no programa Marco Zero

Apoie! Siga-nos no Google News

O número de mulheres assassinadas em Foz do Iguaçu durante 2023 já é o dobro do registrado no ano anterior. Seis feminicídios foram contabilizados até 20 de outubro, enquanto em 2022 houve três casos. Os dados são da 6ª Subdivisão Policial (SDP).

Presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (CMDM), Iraci Pereira Conceição afirma que o aumento do feminicídio em Foz do Iguaçu preocupa o colegiado de instituições. Ela também coordena a Patrulha Maria da Penha, que atua para assegurar medidas protetivas.

Iraci esteve no Marco Zero para melhor elucidar essas questões. O programa é uma parceria entre o Portal H2FOZ e a Rádio Clube FM, dê o play:

Durante a entrevista, foram respondidas as seguintes perguntas:

Qual a incidência dos casos de feminicídio nos últimos cinco anos em Foz do Iguaçu?

Quais os meios empregados nos crimes?

Das vítimas de feminicídio em Foz do Iguaçu neste ano, nenhuma havia solicitado medida protetiva à Justiça. Quais as razões para essa realidade?

O Conselho Municipal dos Direitos da Mulher está fazendo um levantamento para melhorar a análise dos casos. Já tem uma radiografia da violência contra a mulher na cidade?

Como pensar junto, no conjunto da sociedade, a construção da masculinidade?

Fale um pouco sobre a importância de denunciar.

Quando e como buscar ajuda?

Diga os canais de denúncia, orientação e apoio.

LEIA TAMBÉM