Empresa brasileira produz o primeiro avião “made in Paraguay”

O Wega 180, "made in Paraguay", fez demonstrações em Luque. Foto MIC.PY

O avião é da Wega Aircraft, que fez seu voo de apresentação na segunda-feira, 11, no base aérea de Luque.

Poucos sabem, mas o Brasil é um “celeiro” de fabricantes de pequenos aviões, helicópteros e drones. Isso, sem contar a Embraer, a terceira maior fabricante de aeronaves comerciais do mundo, atrás apenas da Airbus e Boeing.

Veja algumas: Octans Aircraft, que desde 2022 já entregou 240 aviões e, agora, desenvolve um monomotor para cinco ocupantes; Scoda Aeronáutica, fundada em 1997, que atende o mercado brasileiro e já vendeu ara clientes da América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia; Paradise, que em 2010 recebeu o prêmio de empresa do ano na área de aviação, nos Estados Unidos; ACS, que em 2015 fez o voo inaugural do primeiro avião com motor elétrico projetado no Brasil; Helibras, principal fornecedora de helicópteros para as forças armadas.

E por aí vai. São cerca de 20 fábricas. Entre elas, a Wega Aircraft, a primeira com sede em Santa Catarina. Ela fabrica o Wega 180, um monomotor de dois lugares que, graças à sua aerodinâmica, tem desempenho semelhante ao de bimotores, alcançando a velocidade de 300 km por hora.

É deste modelo que a Wega Aircraft produziu o primeiro avião já fabricado no Paraguai e apresentado nesta segunda-feira a autoridades do país, na base aérea de Luque, região metropolitana de Assunção.

FÁBRICA NO PARAGUAI

O ministro de Indústria e Comércio do Paraguai, Luis Alberto Castiglioni, manifestou sua alegria com o fato de que uma indústria aeronáutica brasileira tenha tomado a iniciativa de avaliar fortemente a possibilidade de se instalar no Paraguai.

“Hoje viemos e presenciamos voos de demonstração das aeronaves, como parte de um processo de avaliação e análise concreta (…) de montar uma planta industrial no Paraguai: ‘aviones made in Paraguay'”, disse o ministro.

Ele disse que os aviões são construídos com elementos tecnológicos de última geração, começando pelo próprio material que utilizam, a fibra de carbono.

Explicou que o Paraguai pode dar “um salto impressionante, não apenas construindo partes, mas também construindo aeronaves para uso interno e para exportar”.

O ministro ressaltou que os empresários aeronáuticos brasileiros vieram ao Paraguai considerando que é o local mais adequado para se radicar com seus investimentos, depois de analisar diversos fatores macroeconômicos, financeiros, a estabilidade do sistema e toda a normativa a respeito da segurança dos investimentos.

Paulo Falcão, executivo da Wega Aircraft, disse que a empresa “tem todo o apoio do governo” paraguaio, que mostrou “toda sua eficiência e competência” para que o sonho da fabricação do primeiro avião paraguaio se tornasse realidade.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 1059 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

error: O conteúdo protegido !!! Este conteúdo e de exclusividade do H2FOZ.