Juiz em Foz do Iguaçu pede eleição pacífica por respeito à soberania do voto

“É uma disputa eleitoral, não guerra”, afirmou o magistrado Ariel Nicolai Cesa Dias, que ainda referendou a segurança da urna eletrônica; assista.

Apoie! Siga-nos no Google News

“É uma disputa eleitoral, não guerra”, afirmou o magistrado Ariel Nicolai Cesa Dias, que ainda referendou a segurança da urna eletrônica; assista.

O juiz Ariel Nicolai Cesa Dias afirmou que a Justiça Eleitoral está trabalhando pela segurança e tranquilidade da eleição deste ano, a fim de garantir o que é essencial no pleito: a soberania do voto. O magistrado concedeu entrevista coletiva à imprensa, nesta terça-feira, 26, e conversou com a reportagem do H2FOZ.

Assista à entrevista.

LEIA TAMBÉM:
Site oficial para eleitor consultar candidaturas já está disponível
Analisar, pesquisar e denunciar: três passos para combater conteúdo falso
Como nascem as fake news? Justiça Eleitoral responde e orienta

O titular da 147ª Zona Eleitoral disse que polarização não é exclusividade das eleições atuais, sendo parte da disputa, mas reconheceu que há acirramentos que preocupam. Informou, também, que a Justiça já está planejando as medidas segurança com as forças públicas.

“Estamos trabalhando de forma preventiva, preparados para o mais difícil, mas acreditando que tudo irá ocorrer em clima de paz”, realçou. “Como se costuma dizer, a gente paga seguro para não usar”, exemplificou Ariel Nicolai Cesa Dias.

“Política busca o bem comum”, disse o juiz Ariel Nicolai Cesa Dias, pedindo que cada eleitor contribua para que as eleições sejam tranquilas – Foto: Marcos Labanca

Conforme o juiz, a população tem um papel importante para a construção de um processo eleitoral pacífico. “É uma disputa eleitoral, não guerra. Política busca o bem comum. Precisamos do cidadão contribuindo para se ter calma, paz e que todos possam fazer as próprias escolhas nas urnas”, convocou.

Urna segura

Ao H2FOZ, o magistrado reforçou a segurança da urna eletrônica e mencionou ser legítima, da parte do eleitor, a busca de informações sobre a confiança do sistema. Ele recomendou os canais oficiais e alertou sobre desinformações.

“O sistema é muito seguro, é o melhor que a gente tem e que está sempre sendo aprimorado”, avalizou. “A gente precisa que o eleitor confie na Justiça Eleitoral e que sua escolha será confirmada nas urnas”, endossou.

Ariel Dias repetiu o que diz o Tribunal Superior Eleitoral (TSE): as urnas brasileiras são referência ao mundo. Relatou que há procedimentos de segurança que asseguram o sigilo do voto.

“São mais de 30 ferramentas de segurança. Não existe até hoje nenhuma prova de fraude ou interferência no resultado das eleições”, citou o juiz eleitoral. “É legítima a preocupação do eleitor que vai exercer o voto, por isso orientamos que ele busque informações para ter confiança.”

Funções

Por ser eleição geral, explicou Ariel, as representações eleitorais serão julgadas em Curitiba (PR), pelo Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TREPR), e as relacionadas à presidência, pelo TSE. Em nível municipal, a Justiça desempenha o papel executivo para garantir a segurança e o cumprimento da legislação.

LEIA TAMBÉM
1 comentário
  1. […] de diferentes setores. Recentemente, o juiz Ariel Nicolai Cesa Dias afirmou que a Justiça Eleitoral está trabalhando pela segurança e tranquilidade na eleição deste ano, a fim de garantir o que é essencial: a soberania do […]

Comentários estão fechados.