Argentina ordena reforço da fiscalização nas fronteiras

Documento da Direção Nacional de Migrações pede maior rigor em relação aos critérios para entrada de pessoas no país.

Apoie! Siga-nos no Google News

O novo conflito no Oriente Médio, entre israelenses e palestinos, deixou alerta a Argentina, país que abriga uma das maiores comunidades judaicas do mundo e foi alvo de atentados a bomba, em Buenos Aires, nos anos de 1992 e 1994.

Leia também:
Ponte Tancredo Neves perde o posto de fronteira mais movimentada da Argentina

No Memorando ME-2023-119545999-APN-DNM#MI, datado de sábado (7) e assinado pela titular da Direção Nacional de Migrações (DNM), Maria Florencia Carignano, o governo do país ordena o aumento da fiscalização nas fronteiras.

“Por instrução do senhor ministro do Interior, dispõe-se que, sem que sejam prejudicados os constantes esforços para cumprir as competências designadas à DNM, sejam reforçados os critérios e procedimentos de admissão de pessoas ao território nacional, na totalidade dos pontos fronteiriços habilitados e em funcionamento”, diz o memorando.



“Assim mesmo, em caso de alertas especiais, deverão ser reforçadas as ações para dar cumprimento aos procedimentos vigentes, e, nesse caso, dar intervenção, quando assim corresponda, aos organismos que resultem competentes”, complementa o texto.

O temor do governo argentino é de que o momento de tensão no Oriente Médio resulte em situações como o atentado contra a Embaixada de Israel em Buenos Aires, em 1992, que deixou 22 mortos e 242 feridos, e contra a Associação Mutual Israelita Argentina, em 1994, também em Buenos Aires, com 85 mortos e mais de 300 feridos.

A autoria dos crimes é atribuída pelas autoridades argentinas a grupos radicais islâmicos, com acusações de envolvimento do governo do Irã.

LEIA TAMBÉM