Em Brasília, comitiva pede solução para fila na fronteira com a Argentina

Grupo de Foz do Iguaçu é liderado pelo presidente da Câmara Municipal, João Morales, e pelo empresário Celso Calegario.

Apoie! Siga-nos no Google News

Uma comitiva de Foz do Iguaçu esteve no Ministério das Relações Exteriores, em Brasília, nessa terça-feira (12), para reunião com a embaixadora e secretária para a América Latina e Caribe, Gisela Padovan.

Leia também:
Editorial H2FOZ: Filas na fronteira com a Argentina e o turismo em Foz do Iguaçu

O grupo é liderado pelo presidente da Câmara Municipal, vereador João Morales (União Brasil), e pelo empresário Celso Calegario, vice-presidente da Associação Brasileira de Logísticas, Transportes e Cargas (ABTC).

Na pauta, pedidos para que o Itamaraty busque soluções ao problema das longas filas na Ponte Tancredo Neves, fronteira com a Argentina, e para as dificuldades enfrentadas pelas empresas que transportam cargas entre os dois países.



“Buscamos a solução e melhoria do fluxo, no sentido de que medidas sejam adotadas pelo governo federal, pois nossa realidade é atípica. Além de cidades fronteiriças, temos um grande volume de turistas, que são diretamente afetados pelas medidas adotadas pela Argentina”, afirmou Morales, citando demoras de até quatro horas para a travessia.

Celso Calegario, por sua vez, apontou que o setor de logística tem sofrido com as retenções ao pagamento de frete a empresas estrangeiras, adotadas pela Argentina, com o prazo podendo chegar a 150 dias.

Outro problema citado é quanto à burocracia para a travessia da fronteira, com muitos motoristas saindo de madrugada para evitar perder o dia na fila.

Os pedidos serão estudados pelo governo brasileiro, que espera poder estabelecer diálogo pragmático com as novas autoridades argentinas, que tomaram posse no último domingo (10).

A reunião com a embaixadora e secretária Gisela Padovan foi acompanhada pelo deputado federal Toninho Wandscheer (Progressistas), nascido em Foz do Iguaçu e com base eleitoral na região metropolitana de Curitiba.

LEIA TAMBÉM