Criptomoedas: região de Ciudad del Este concentra 75% dos “gatos”

De um total de 64 denúncias de furto de energia feitas pela Administração Nacional de Eletricidade (Ande), 48 são do Alto Paraná.

Apoie! Siga-nos no Google News

Três em cada quatro denúncias feitas pela Administração Nacional de Eletricidade (Ande), sobre furto de energia para a mineração de criptomoedas no Paraguai, foram registradas no departamento (estado) de Alto Paraná, cuja capital é Ciudad del Este.

Leia também:
Paraguai analisa suspender mineração de criptomoedas

É o que publica, nesta terça-feira (16), o jornal ABC Color, que reporta que dos 64 casos relatados pela Ande ao Ministério Público, 48 ocorreram em municípios como Ciudad del Este, Hernandarias, Minga Guazú, Santa Rita, Juan León Mallorquín e Itakyry.

Equipamentos demandam grande consumo de energia elétrica, 24 horas por dia. Foto: Gentileza/Ande
Equipamentos demandam grande consumo de energia elétrica, 24 horas por dia. Foto: Gentileza/Ande

As instalações, em sua maioria, ocupam imóveis rurais ou antigos barracões, adaptados para a nova função, com a instalação de transformadores de energia, equipamentos de climatização e estantes para organizar as centenas de máquinas utilizadas.

Conforme o ABC Color, o caso mais antigo de furto de energia em grande escala para a mineração de criptomoedas em Ciudad del Este data de 2019. Na ocasião, um cidadão de origem libanesa chegou a ser processado, mas conseguiu ser absolvido.

A maioria das denúncias é recente, correspondendo aos últimos 12 meses. No último dia 4 de abril, por exemplo, um barracão no qual um “gato” alimentava 677 computadores foi alvo de intervenção na cidade de Santa Rita, a 70 quilômetros da fronteira. O prejuízo estimado à companhia de energia foi calculado em R$ 323 mil mensais.

No Congresso Nacional do Paraguai, está em tramitação um projeto de lei para suspender as autorizações para mineração de criptomoedas no país, até que a rede de energia esteja adaptada para atender adequadamente à demanda de todos os setores da economia. Para saber mais sobre o projeto, clique aqui.

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.