ONU-Habitat seleciona cidades da fronteira para projeto de integração

Pôr do sol sobre o rio Paraná, em registro do fotógrafo Marcos Labanca.

Foz do Iguaçu e Ciudad del Este fazem parte da iniciativa que tem como foco ampliar políticas conjuntas.

O Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-Habitat) selecionou, no âmbito do projeto Conexões Urbanas, cidades da fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina para o desenvolvimento de ações voltadas a ampliar políticas de integração e promover soluções conjuntas para os problemas que afligem os moradores.

A iniciativa, com duração estimada de dois anos, será implantada em dois polos: o conglomerado urbano formado pelas cidades de Barracão (PR), Bom Jesus do Sul (PR), Dionísio Cerqueira (SC) e Bernardo de Irigoyen (Argentina); e as cidades-gêmeas de Foz do Iguaçu e Ciudad del Este (Paraguai).

No caso do polo transfronteiriço Brasil–Argentina, o ONU-Habitat Brasil firmou parceria com o Comitê de Desenvolvimento Territorial La Frontera e com o Consórcio Intermunicipal da Fronteira, para compartilhamento de informações, mobilização de atores locais e apoio na implementação e divulgação das atividades do projeto.

O Conexões Urbanas tem como objetivo aumentar as capacidades das autoridades e comunidades locais para planejamento e desenho urbano em cidades de fronteira.

“A ideia é promover a inclusão de todas as pessoas, incluindo migrantes de outras nacionalidades, fomentando a coesão social e reforçando a cooperação transfronteiriça”, destaca o ONU-Habitat, em material distribuído à imprensa.

Metodologia

Para segunda-feira (23), está marcada uma oficina com lideranças das organizações da sociedade civil e pessoas das áreas de urbanismo e assistência social de Barracão, Bernardo de Irigoyen, Bom Jesus do Sul e Dionísio Cerqueira, para dar início à avaliação dos espaços públicos dessas cidades.

Até o final de 2023, o projeto vai promover escutas da população e atores locais, realizar oficinas com autoridades e lideranças dos territórios, elaborar um diagnóstico dos espaços públicos a partir de metodologias participativas já testadas pelo ONU-Habitat em outras regiões do planeta e revisar políticas migratórias e urbanas.

Com base nos diagnósticos e na participação da população, será apresentada uma proposta de projeto de requalificação para um espaço público que seja relevante para cada grupo de municípios, além de recomendações de políticas públicas para a rede de espaços. Também estão previstos eventos e oficinas regionais e internacionais para promover o intercâmbio de experiências e boas práticas entre as cidades participantes.

Com informações do ONU-Habitat.

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Guilherme Wojciechowski - H2FOZ

Guilherme Wojciechowski é repórter colaborador do H2FOZ. E-mail: [email protected] - Veja mais mais conteúdo do autor.

-->