Paraguai prevê pico da dengue ainda no mês de fevereiro

Na região de Ciudad del Este, procura por atendimento médico na rede pública dobrou nas últimas três semanas.

Apoie! Siga-nos no Google News

Ciudad del Este e municípios do departamento (estado) fronteiriço de Alto Paraná poderão alcançar, no final de fevereiro, o pico da atual temporada de casos de dengue no Paraguai, conforme projeção do médico Federico Schorel, diretor do Hospital Regional.

Leia também:
Foz do Iguaçu registra mais de 5 mil notificações e 221 casos de dengue

Em declarações ao jornal La Clave, Schorel apontou que a procura por atendimento na rede pública dobrou nas últimas três semanas. No acumulado do ano, Ciudad del Este já soma mais de 200 casos positivos de dengue, afetando adultos e crianças.

“Se continuar nesse ritmo, a meados ou no final de fevereiro teremos o pico, essa é a projeção que temos. A quantidade de consultas que temos por casos de febre aguda duplicaram, embora isso ainda não se reflita nas internações”, afirmou.



Dos doentes que precisaram de hospitalização em Ciudad del Este, três eram crianças, transferidas a leitos de terapia intensiva no mês de janeiro. Felizmente, todas já receberam alta e estão de volta às suas respectivas residências.

Em todo o Paraguai, 755 pessoas estão internadas com quadro de dengue, sendo 39 em estado grave. O total de falecidos no atual ano epidemiológico, que começou no segundo semestre de 2023, é de 36.

Argentina

Além do Paraguai e do Brasil, a Argentina também vem enfrentando aumento de casos de dengue. Na temporada 2023–2024, o país já registra 135 mil contágios, com 68 mortes atribuídas à doença transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti.

As áreas mais afetadas são as províncias que fazem fronteira com o Paraguai e/ou o Brasil, devido às características climáticas. Em Misiones, onde fica a cidade de Puerto Iguazú, dez óbitos foram confirmados, o último deles na terça-feira (6).

A vacina contra a dengue já está sendo aplicada na província de Misiones, com mutirões semanais nas cidades com mais registros da doença. No Paraguai, o governo do país ainda está em conversações com a farmacêutica Takeda para a aquisição do imunizante.

LEIA TAMBÉM