H2FOZ | Notícias | Foz do Iguaçu
  1. Home
  2. Notícias

Por: Cláudio Dalla Benetta

Acessos no lado paraguaio vão custar mais do que as obras da segunda ponte

Acessos no lado paraguaio vão custar mais do que as obras da segunda ponte
Do lado paraguaio, custo muito mais elevado que na margem brasileira. (Foto: Projeto DNIT)

H2FOZ

A ponte, Itaipu vai bancar; a Perimetral Leste, também. E ainda vai destinar US$ 35 milhões para a construção dos acessos no lado paraguaio. Mas vai faltar dinheiro, que os paraguaios terão que buscar via financiamento.

É que as obras de acesso à Ponte da Integração ("segunda ponte"), no lado paraguaio, têm custo previsto de US$ 172 milhões, duas vezes mais do que custará a ponte (US$ 78,9 milhões) e seis vezes mais que o valor necessário para construir a Perimetral Leste e as duas novas aduanas Brasil-Paraguai, em Foz do Iguaçu (no total, US$ 27 milhões ou R$ 104 milhões).

A informação sobre os recursos necessários para as obras em Presidente Franco foi repassada ao jornal Ùltima Hora pelo Ministério de Obras Públicas e Comunicações do Paraguai. Segundo o ministério, serão necessárias obras em Presidente Franco, Minga Guazú e Cedrales.

Financiamento

Só uma parte dos US$ 172 milhões está garantida, por enquanto. A Itaipu Binacional vai bancar US$ 35 milhões, investimento já aprovado pelo Conselho e Diretoria da binacional. 

Para conseguir os US$ 137 milhões que faltam, o Ministério de Obras Públicas do Paraguai está iniciando gestões para obter financiamento do Banco de Desenvolvimento da América Latina.

Por que tanto dinheiro? O que explica é o volume de obras previsto. Segundo o Última Hora, as obras se dividirão em três partes: acesso rural, acesso urbano e obras civis, tudo a um custo de US$ 149 milhões.

Os outros US$ 22,9 milhões serão usados para pagar as desapropriações das faixas de domínio, que correspondem a 220 propriedades em Presidente Franco, 112 em Minga Guazú e 39 em Cedrales. No total, a área a ser desapropriada atinge 446,8 hectares.

Acessos

De acordo com o plano paraguaio, a primeira parte do projeto é o acesso rural, uma rodovia de 37 km, dos quais 30 km com quatro pistas, que vai ligar a ponte à Ruta 7, que dá acesso a Ciudad del Este e a Assunção. A obra exigirá a construção de duas pontes sobre o Rio Monday e um trevo na Ruta 7, para conexão com Minga Guazú.

A segunda parte das obras é para permitir a ligação entre a ponte e a área urbana de Presidente Franco, com extensão de 4,6 quilômetros.

Já a terceira parte é de obras civis, que consistem na construção de um edifício da Área de Controle Integrado, em um terreno de 70 hectares, e de outro prédio para o controle de fronteira, em uma área de cinco hectares. 

Fonte: Última Hora