Ser professor

Prof. José Afonso de Oliveira  | OPINIÃO

Comemora-se o Dia do Professor no próximo 15 de outubro. Essa é uma data muito importante, cheia de significados, pois nos lembramos perfeitamente bem dos nossos bons professores. Evidentemente que nem todos foram assim tão bons, por conta disso geralmente não nos lembramos deles.

Mas ser professor significa ser um apaixonado pelo conhecimento, que muda profundamente a vida das pessoas, dá um sentido, uma dimensão de plenitude, de realização. Por isso é uma grande profissão, que exige muito de todos aqueles que a ela se dedicam.

Com a pandemia durante praticamente todo este ano, entre coisas interessantes podemos mencionar que os filhos em casa, mesmo que estudando, deixam bem clara a importância dos professores e como eles conseguem ensinar a essas crianças e adolescentes. Os pais conseguiram ver tudo isso no seu cotidiano em todo o transcorrer deste ano.

De outra forma, os professores foram também incentivados e motivados pela necessidade para darem o pontapé inicial para uma educação mais de acordo com os dias atuais, utilizando as tecnologias informacionais e as redes sociais para ensinarem a seus alunos, de tal sorte que a educação será um sistema social que vai sair da pandemia com novos procedimentos.

Mas ensinar, tanto no passado da Antiguidade quanto agora, na contemporaneidade, tem um significado que extrapola o tempo. Primeiro que o conhecimento é vastíssimo, e segundo que, ante ele, somos ínfimos. Disso já sabia o grande Sócrates, há mais de 2.500 anos de nós, quando afirmava “só sei que nada sei”. Quanto mais a humanidade avança, essa frase é de maior atualidade.

Em segundo lugar, o professor ensina o aluno a pensar de maneira que ele consegue alçar voos próprios durante a vida, realizando sonhos e utopias que dão sentido de plenitude à sua vida.

O professor se poupa de muita coisa, horas com a família, com os amigos, passeios não realizados, afinal a atividade do magistério é muito envolvente. De alguma maneira, os professores nunca envelhecem, pois convivendo sempre com crianças e jovens assumem parte desse salutar e ótimo comportamento.

O maior pagamento não é tanto o salário, mas o reconhecimento por todo um trabalho feito com paixão, já que o professor é um eterno apaixonado por pessoas.

* José Afonso de Oliveira é professor e sociólogo em Foz do Iguaçu.
________________________________

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do H2FOZ.

Quer divulgar a sua opinião. Envie o seu artigo para o e-mail [email protected]

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.