Por soluções para a Avenida Andradina, moradores baterão à porta do prefeito e vereadores

Comunidade realiza reunião neste sábado, 13, para definir pauta e forma de reivindicação.

A comunidade dos bairros próximos à Avenida Andradina realiza reunião neste sábado, 13, às 19h30, na Paróquia Nossa Senhora das Graças, em que irão definir a pauta de reivindicações para ser apresentada a vereadores e ao prefeito Chico Brasileiro (PSD). Conforme moradores, foram feitos vários pedidos de melhorias da via, que não foram atendidos até o momento.

Leia mais:
Moradores fecham Avenida Andradina em protesto por mais segurança a pedestres
Sem ciclovia, canteiro da Andradina “é terrão, poeira, barro e corredeiras”

O encontro pretende escolher uma comissão, com no mínimo dez pessoas, para representar a comunidade em reunião com o poder público. Serão reunidas as cobranças mais urgentes em um documento, que será registrado em cartório – com a assinatura dos presentes à reunião – e protocolado nos órgãos públicos.

“Tomamos essa decisão após vários pedidos apresentados pela comunidade e vídeos publicados sobre os problemas da Avenida Andradina, e nada foi feito até o momento”, explica Neiva Guedes, que possui um comércio na avenida. Ela é uma das organizadoras da reunião.

“Alguns vereadores já fizeram as solicitações para melhorias e o atendimento às nossas reivindicações, mas o prefeito ainda não determinou a realização dos serviços”, expõe Neiva. “Na reunião de hoje, vamos definir as pautas mais urgentes”, conta.

A comunidade mantém uma página no Facebook para denunciar os problemas relacionados à avenida e aos bairros perto da Andradina. Em publicações, moradores reclamam da falta de segurança da avenida, bueiros sem tampa, ausência de calçadas, ciclovia inacabada, terrenos com mato alto e pontos de ônibus danificados.

Bueiro aberto é dos problemas apontados. A foto foi feita por moradora nessa sexta-feira, 12. 

Poeira e lama 

Uma das reivindicações da comunidade, a ciclovia da Avenida Andradina não sai do papel. No local, uma placa da Prefeitura de Foz do Iguaçu anuncia a data de conclusão do serviço para novembro do ano assado, mas na prática isso está longe de acontecer, o que gera muitos transtornos.

Na maior parte do canteiro, de 2,8 mil metros de extensão, o terrão tira o sossego de moradores, comerciantes, pedestres e motoristas, faça chuva ou faça sol. Quando chove, inunda a Avenida Andradina de barro, tornando-a ainda mais perigosa. Em dias de sol, a poeirona invade casas e comércios.

Segurança na avenida

No último dia 28 de janeiro, moradores e comerciantes da região da Avenida Andradina fizeram protesto por mais segurança para pedestres e melhorias na via. Dois dias antes, uma criança de 10 anos foi atropelada gravemente por uma motocicleta, nas proximidades do bairro Nova Andradina.

Na ocasião, a comunidade fechou a pista temporariamente para exigir a instalação de uma faixa elevada nas proximidades do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS/Norte), radar, sinalização e fiscalização. Moradores denunciam veículos que cruzam a avenida em alta velocidade.

“Após o protesto, disseram que uma faixa elevada vai ser feita”, relata Neiva. Em resposta ao protesto no final de janeiro, a prefeitura relatou à imprensa que faria estudos para a instalação desse dispositivo para a travessia de pedestres.

 

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.