Argentinos em situação análoga à escravidão são resgatados no Brasil

Grupo de trabalhadores foi atraído com oferta de trabalho na zona rural de São Marcos, interior do Rio Grande do Sul.

Apoie! Siga-nos no Google News

Um grupo de 22 trabalhadores de nacionalidade argentina (inicialmente, a informação divulgada à imprensa citava 18) foi resgatado, na última quarta-feira (31), após ser encontrado em situação análoga à escravidão no Rio Grande do Sul.

Leia também:
Babá paraguaia era mantida sob trabalho escravo e violência sexual em Foz do Iguaçu

A operação foi coordenada pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), com o apoio do Ministério Público do Trabalho (MPT) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Residentes na província fronteiriça de Misiones, estrangeiros foram atraídos com proposta de emprego temporário. Foto: Gentileza/Ministério Público do Trabalho
Residentes na província fronteiriça de Misiones, estrangeiros foram atraídos com proposta de emprego temporário. Foto: Gentileza/Ministério Público do Trabalho

Conforme as investigações, os homens, oriundos da província de Misiones e com idades entre 16 e 61 anos, foram atraídos a uma propriedade rural de São Marcos, município da Serra Gaúcha, com a proposta de emprego temporário na colheita de uva e legumes.

O recrutador do grupo, também argentino, foi preso em flagrante pela Polícia Federal (PF), devendo responder por redução à condição análoga à escravidão e tráfico de pessoas.

Os trabalhadores viviam em alojamentos com escassas condições de higiene, sem água encanada e com risco de incêndio devido à precariedade da rede elétrica. Já a remuneração referente ao trabalho ainda não teria sido paga em sua totalidade.

Condições sanitárias eram consideradas degradantes. Foto: Gentileza/Ministério Público do Trabalho
Condições sanitárias eram consideradas degradantes. Foto: Gentileza/Ministério Público do Trabalho

Após o resgate, os homens foram levados para a cidade de Caxias do Sul, onde receberam acolhimento por parte de órgãos de assistência social.

As investigações continuam, no intuito de identificar os fazendeiros beneficiados pelo trabalho do grupo, que atuou em várias propriedades da zona rural de São Marcos. Os suspeitos de envolvimento no caso serão notificados pelo MPT.

LEIA TAMBÉM