Criptomoedas: companhia descobre novo “gato” no Paraguai

Imóvel na zona rural de Minga Guazú, a 24 quilômetros da fronteira, tinha conexão direta com a rede de energia.

Apoie! Siga-nos no Google News

A companhia elétrica Ande promoveu, nessa terça-feira (30), mais um desligamento de conexões clandestinas usadas para o abastecimento de imóveis que abrigam instalações para a mineração de criptomoedas, atividade de grande consumo de energia.

Leia também:
Companhia desarma gato para mineração de criptomoedas em cidade da fronteira

O “gato” foi localizado em uma estrada rural do km 24 Monday, em Minga Guazú, município vizinho a Ciudad del Este.

Equipamentos localizados no interior do imóvel. Foto: Gentileza/Ande
Equipamentos localizados no interior do imóvel. Foto: Gentileza/Ande

A ligação clandestina levava eletricidade até a estrutura, que continha 364 computadores e contava com um transformador. O prejuízo estimado à companhia estatal com o furto de energia é de cerca de G$ 432 milhões (R$ 293 mil).



A ação foi acompanhada pelo promotor Alcides Giménez, do Ministério Público do Paraguai, que constatou a ligação irregular e solicitou a abertura de processo contra o proprietário do imóvel, que não estava no local.

Mineração de criptomoedas demanda grande consumo de energia elétrica. Foto: Gentileza/Ande
Mineração de criptomoedas demanda grande consumo de energia elétrica. Foto: Gentileza/Ande

Na semana passada, uma estrutura similar foi encontrada pela Ande na zona rural do município de Domingos Martínez de Irala, situado ao sul de Ciudad del Este (clique aqui para ler a notícia).

LEIA TAMBÉM