Paraguai investiga empresas suspeitas de envolvimento com cocaína apreendida na Bélgica

Agentes da Senad fazem buscas no curtume de onde saíram as peças de couro enviadas à Europa. Foto Senad

Agentes da Secretaria Nacional Antidrogas e promotores fizeram várias investigações, nesta sexta-feira, para buscar evidências da participação de empresas paraguaias no envio de cocaína para a Europa.

No último dia 2, a polícia belga apreendeu quase 11 toneladas da droga, que veio num contêiner carregado de peças de couro, procedente do porto de Villeta, próximo a Assunção.

Em Assunção, as buscas se concentraram nas residências dos responsáveis pelas empresas Atis, Neumáticos Guairá, Notias Maxigrains. Também houve buscas nas supostas sedes das empresas nos municípios de Luque e Mariano Roque Alonso e, ainda, no curtume Fabe, em Villa Hayes.

Ninguém foi preso.

Veja o que publicamos: Cocaína apreendida na Bélgica também é “paraguaia”. Empresa de brasileiros pode estar envolvida

SUSPEITAS

A carga de couro exportada para a Bélgica, noticia o jornal ABC Color, foi adquirida da empresa Fabe pela Neumáticos Guairá. Antes de embarcar no navio, as peças de couro foram armazenadas num depósito da empresa Maxigrains, em Villeta. Dali, a mercadoria foi ao Porto Seguro Fluvial. O navio com a carga deixou o porto em 12 de fevereiro, fez escala em Buenos Aires entre 26 e 28 de fevereiro e chegou ao porto belga de Antuérpia no dia 2 de abril.

As autoridades belgas, ao fiscalizar a carga, encontraram de fato o couro, mas, escondidas no mesmo contêiner, estavam as 11 toneladas de cocaína.

No dia 18 de junho do ano passado, neste mesmo porto belga, foram apreendidos 1.331 quilos de cocaína, dentro de um carregamento de farinha de soja, enviado pela empresa Atis, também via porto de Villeta.

O promotor Eduardo Royg, encarregado da operação “Conexão Budapest”, disse ao jornal Última Hora que um dos sócios da Neumáticos Guairá explicou que a empresa faz um serviço logístico. Como uma empresa da Suíça queria adquirir as peças de couro, a Neumáticos Guairá adquiriu o material de outra empresa.

A ligação das empresas é clara: o vice-presidente da Atis SA é também sócio da Notia SRL e da Maxigrains; é ainda representante da Neumáticos Guairá.

Consta que ambas as cargas, a de couro e a de farinha de soja, tinham como destino final a empresa Fritz Company, de Israel, mas as investigações já apontaram que a firma israelense nunca fez os pedidos a uma empresa paraguaia.

A nova apreensão na Europa confirma que o Paraguai é hoje um grande “exportador” de cocaína, que segue junto com as mais variadas cargas, que agora incluem farinha de trigo e peças de couro.

Confira outras:

Em latas de tinta:

Vinda do Paraguai, Alemanha e Bélgica apreendem maior carga de cocaína da história da Europa

Em carvão:

Espanha apreende 2 toneladas de cocaína em carvão importado do Paraguai

Em mochilas:

Mais cocaína “paraguaia” pelo mundo. Na África, uma tonelada foi apreendida

E alguém foi preso?

Quase 40 dias após mega-apreensão na Europa de cocaína paraguaia, só um coitado foi preso no Paraguai

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 1049 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ